Juventude Quotes

Quotes tagged as "juventude" (showing 1-10 of 10)
Vergílio Ferreira
“A força da nossa vontade tem que ver com a vontade da nossa força. Porque a verdade é o que é pela sua justeza, mais o músculo anterior de quem a enuncia. Por isso é tão incompreensível a tolerância na juventude como a intolerância na velhice. Assim, a intolerância é um sinal de juventude de se ser um homem firme como na velhice é um sinal de se ser taralhouco. Assim a democracia não é o triunfo da juventude, a não ser como um terreno é o triunfo do que lá se cultiva. Porque a democracia não é uma “ideologia”, mas o caldo em que todas elas se podem desenvolver. Assim o que melhor a defende é que as ideologias perderam a semente do serem. Mas o que desse modo melhor a define a democracia na sua estabilidade e defesa contra o que a ameace, não é o convívio das várias ideologias, mas a indiferença em face de todas elas. Como na entropia, o regime que nos espera no limite do esperar, está para lá da democracia porque é a ausência de qualquer um. O homem não vai suicidar-se porque a vida sem razão não é razão para que o suicídio valha a pena. Honestamente, o homem vai continuar a morrer de “morte natural”. Mas talvez por inanição. Ou simplesmente de tédio, enquanto não achar um motivo que não o seja. E o tédio não se trata na psiquiatria, mas num sono em que se apodreça de bolor.”
Vergílio Ferreira, Pensar

Filipe Russo
“Tenho todo tempo do mundo mas não tenho tempo a perder.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Francilangela Clarindo
“Ninguém tem nove ou dez anos para sempre, então fui ficando mais velha.”
Francilangela Clarindo

Marcelino Freire
“Pelos arredores da Casa da Cultura existia um cinema pornô em que eu ia para dormir, porque o calor que fazia, na minha idade, sabe o calor, quando a minha tia me trazia do interior para um passeio, outro passeio, para o curso de datilografia, quando eu vim viver um tempo com ela, na Boa Vista, não tive medo de enfrentar os inferninhos refrigerados, a fila dos sertanejos em pé, atrás das poltronas manchadas, eu dormia, no começo, durante o filme, é verdade, mas deixava que repousassem em mim os paus dos mulatos, vendedores de roletes de cana, os camelôs de relógios, os baixinhos do córrego, hoje, juro, eu me sinto vingado, os cinemas, todos morreram, eu continuo vivo, e rio.”
Marcelino Freire, Nossos Ossos

Clara Averbuck
“Eu me alimentava de miojo e barras de cereal e sofria as dores de amor perdido, aquelas dores que mastigam uns pedaços da juventude e nos tornam pessoas adultas e duronas.”
Clara Averbuck

Rosa Lobato de Faria
“Os que os deuses amam morrem cedo e claro que nos incluíamos nesse número, arrogantes que éramos na certeza da nossa diferença, da nossa especificidade, da nossa vaidade de nos sabermos escolhidos e amados dos deuses.”
Rosa Lobato de Faria, A Flor do Sal

Michel Houellebecq
“Segundo o modelo amoroso prevalecente nesses anos de minha juventude (e nada me faz pensar que as coisas tenham mudado significativamente), os jovens, depois de um período curto de vagabundagem sexual que corresponde à pré-adolescência, deviam se envolver, supostamente, em relações amorosas exclusivas, acompanhadas de uma monogamia estrita, em que entravam em cena atividades não só sexuais mas também sociais (saídas, fins de semana, férias). Essas relações não tinham, porém, nada de definitivo, mas deviam ser consideradas aprendizados da relação amorosa, de certa forma estágios (cuja prática se generalizava, aliás, no plano profissional como algo prévio ao primeiro emprego). Relações amorosas de duração variável (a duração de um ano que, por minha vez, eu mantinha podia ser considerada aceitável), em número variável (uma média de dez a vinte parecia razoável), deviam supostamente se suceder antes de resultar, como uma apoteose, na relação última, que teria, agora sim, caráter conjugal e definitivo, e levaria, pela geração de filhos, à constituição de uma família.”

Trecho de: Houellebecq, Michel. “Submissão.”
Michel Houellebecq

Olivier Rolin
“Não há vida, por mais jovem que seja, que não provoque ódios.”
Olivier Rolin, Tigre de Papel

José Ortega y Gasset
“El joven no necesita razones para vivir; sólo necesita pretextos”
José Ortega y Gasset, The Revolt of the Masses

Tim Tharp
“Somos los Jóvenes-A-Punto-De-Caducar y nos arremolinamos aquí para ocultarnos del pasado y del futuro. Sabemos lo que nos espera: el futuro nos aguarda allí enfrente, como reja de hierro forjado, y el pasado nos ataca desde la retaguarda como un dóberman perverso, solo que nunca se da por vencido.”
Tim Tharp, The Spectacular Now