Diz-me o que lês, dir-te-ei quem és discussion

22 views
Leituras Conjuntas > 7ª Leitura Conjunta - 4ª Fase

Comments Showing 1-5 of 5 (5 new)    post a comment »
dateDown arrow    newest »

message 1: by Ana (new)

Ana  (boladesabao) | 226 comments Mod
Confesso que nem sei bem o que escrever em relação a esta fase. Acho que durante todo o livro tive a esperança de que esta história se desenvolvesse de uma forma forte e marcante. Tal não aconteceu...

Chegámos ao final tal como começámos, pouco ou nada sabemos das histórias que as criadas tinham para contar, além de que depois de tanta expectativa sobre o livro, muito pouco acontece após a publicação do mesmo. Apenas sabemos que umas quantas personagens o leram e a nível de repercussões estas quase não existem. Para material tão polémico, nada de muito marcante acontece.

Quanto ao desfecho da história, achei-o deveras patético e o destino dado às várias personagens foi bastante básico e, novamente, sem qualquer chama. De um momento para o outro Skeeter arranja emprego noutra cidade. De um momento para o outro Minny deixa o Leroy e arranja um emprego para a vida. De um momento para o outro Aibeleen é despedida e torna-se escritora. E aquele que foi para mim o desenlace mais ridículo que li nos últimos tempos, o da mãe de Skeeter. Uma personagem que passa grande parte do livro a definhar com cancro, no fim do livro decide que afinal recusa-se a morrer e como tal, surpresa surpresa, começa a melhorar.

Enfim, uma desilusão do principio ao fim. E depois de ter visto o filme após a leitura do livro, posso dizer que o filme é infinitamente melhor do que o livro pois deixa transparecer uma carga emocional que o livro nunca consegue.


message 2: by Bárbara (last edited Jun 08, 2012 12:26PM) (new)

Bárbara | 43 comments Sorte a minha que ainda não vi o filme. Assim sendo, adorei o livro!

A acção do livro decorre num período de +/- 2 anos (?), tendo sido os primeiros meses passados a ter a ideia e convencer as criadas, muitos meses a escrever o livro, mais alguns meses à espera da publicação e poucos meses após a publicação. A mudança de atitude e de política foi muito gradual. Já estava a acontecer enquanto o livro estava a a ser escrito, após a publicação, em Jackson, as mudanças foram subtis e não afectaram a todos. Uma patroa quis saber o que a criada pensava dela, outra admitiu que a criada era muito importante para ela. Estas mudanças foram subtis e espaçadas, mas outras se seguiriam.

Há tantos calhamaços maçadores publicados, este livro tem só 463 páginas e podia bem ter o dobro. Podia ser mais detalhado e prolongar-se mais no tempo.

Eu gostava de ter lido mais histórias e mais completas das criadas, gostava de ter sabido quando nasceu o bebé da Elizabeth, que já estava com 3 semanas de atraso, e saber se ele mudou a relação da Aibileen e da Mae Mobly. A Celia deu resposta à Hilly através do cheque, mas depois também desapareceu.
Este livro soube-me um bocadinho a pouco. Mas é porque o pouco foi bom, senão eu não queria mais.

Quanto ao final, achei que o da Skeeter natural, como consequência de ter escrito um livro quase impossível. O da Minny também foi o que ela merecia, reconhecimento pelo seu valor e segurança para poder deixar o Leroy (pena ela não lhe ter dado uns tabefes antes de o deixar). O da Aibileen foi agridoce. O da mãe de Skeeter foi um bocado ridículo, mas como não era o que mais me interessava, não me importei.

Afinal ficamos a saber qual foi a coisa terrivelmente feia que a Minny fez. Eu primeiro pensei que preferia não ter sabido, mas depois como isso foi usado como seguro de protecção das criadas, ainda bem que aconteceu. E a reacção da mãe da Hilly ao acontecimento e posterior compra do bolo para oferecer à filha também teve graça. Até a Celia, sofreu com o mal-entendido, mas libertou-se de vez das snobes.

Vou deixar passar mais algum tempo e depois verei o filme, que deve ser mais intenso.


message 3: by Alexandra (new)

Alexandra (biobreeze) | 105 comments Eu já tinha visto o filme e por isso estava com medo de não gostar tanto do livro! Afinal acabei por adorar o livro também!
Também gostava de ter sabido mais das histórias das criadas, das consequências que sofreram com a publicação do livro, do que aconteceu com a Celia, a Mae Mobley e até com a mãe da Skeeter (não acredito que tenha melhorado e a autora também não entra em pormenores sobre isso; só se sabe que ainda estava viva quando a Skeeter foi para NY)... Por outro lado, com tantas personagens, a autora não teria outro remédio senão escrever uma saga em vez de um só livro.
Agora, para quem ainda não viu o filme, vejam! É um filme muito bem feito, imperdível mesmo. Cada vez que lia sobre a Aibileen imaginava-a mesmo como a Viola Davis, pelo que acho que ela interpretou esta personagem magnificamente!


message 4: by Sofia (new)

Sofia (djamb) | 39 comments A narrativa centra-se em três personagens principais – uma jovem adulta branca e duas criadas negras, no início da década de ’60 no Mississípi, o que nos permite antecipar uma história amarga marcada pelo preconceito. Esta ideia confirma-se ao longo de todo o livro, à medida que vamos conhecendo o contexto social do sul dos Estados Unidos da América: os estratos sociais dividem-se radicalmente consoante a raça das pessoas e a parcialidade é punida de forma extrema. Skeeter, a nossa protagonista e a principal catalisadora da história, baseia-se no relacionamento com a criada negra que a criou até à adolescência e no aconchego e nostalgia que lhe deixou para iniciar uma amizade única com duas criadas negras. Este relacionamento é tabu e os seus encontros são ocultos, mas a força que une estas três mulheres tem um objectivo em comum, do qual nunca desviam a atenção: juntas lançarão um livro anónimo sobre a vassalagem das mulheres negras neste Estado norte-americano a famílias brancas, narrando o sofrimento, alegrias, maus-tratos e punições. Ao longo de toda a história, acompanhamo-las na tarefa árdua de compilar vivências de uma dúzia de mulheres, ao mesmo tempo que lidam com os seus problemas quotidianos: Skeeter lida com uma mãe exigente e intolerante e tenta resolver a sua situação amorosa. Aibileen enfrenta o luto pelo seu filho e as exigências dos subúrbios onde trabalha. Minny tenta adaptar-se à sua vida familiar dolorosa e a um mercado de trabalho exigente e imperdoável.

Conhecendo a realidade norte-americana contemporânea e os factos que levaram à luta contra a discriminação, é interessante a forma como a autora incluiu alguns elementos históricos na narrativa, nomeadamente o lançamento do primeiro single de Stevie Wonder na rádio e o aparecimento fulcral de Martin Luther King. Contudo, estas referências são feitas de forma tão superficial quanto o retrato feito da comunidade negra, deixando-nos um enfoque mais preciso das donas de casa brancas. Neste aspecto, terminei a leitura com vontade de conhecer mais pormenorizadamente alguns detalhes e os segredos que o livro das três mulheres contém, deixando-me com a ideia de a narrativa estar incompleta. Fiquei com esta noção também no desenlace da história, demasiado fácil e bonito.


message 5: by Rita (last edited Jun 30, 2012 04:05PM) (new)

Rita | 57 comments Peço novamente desculpa pela demora a comentar, mas entre faculdade e problemas informáticos tornou-se difícil poder acompanhar as fases como gostaria. :$

Gostei bastante do livro, especialmente da realidade que nos foi transporta e que ficamos a saber que foi escrita, tendo como base o passado da autora. Penso que é uma obra que nos consegue tocar, pelo menos a mim arrancou-me alguns sorrisos e alguma tristeza. A forma como a autora nos conta a sua história é bastante genuína, com uma escrita simples, mas envolvente.

Gostei igualmente das nossas personagens, penso que eram todas carismáticas à sua maneira, embora, tal como foi referido por vós, tivesse gostado de ter conhecido melhor o futuro das mesmas, especialmente quais as consequências do livro para as empregadas. O facto de a autora nos ter deixado um final em aberto não é necessariamente mau, esse género de finais têm sempre a sua magia, pois cada um de nós poderá idealizar um final que lhe pareça melhor :), contudo fica o bichinho da curiosidade, por saber qual seria o futuro dado pela autora...

Em suma, foi uma autora que me surpreendeu pela positiva e que gostaria de um dia mais tarde de voltar a ler outra obra sua. :)


back to top