Filosofia em Directo Filosofia em Directo discussion


12 views
Is this book Philosophy?

Comments Showing 1-2 of 2 (2 new)    post a comment »
dateDown arrow    newest »

message 1: by Predormitum (last edited Jun 06, 2012 04:45PM) (new) - rated it 3 stars

Predormitum I'm sorry but I'm afraid you've totally missed the point in this part of the book. And you've stopped reading too soon. Seriously, at least read it past the 17th page. In fact he's presenting an impartial standpoint that is not his own but rather a collection of common arguments used "against democracy" by its opponents, just for the sake of argument, so he can evaluate the flaws and present counter-arguments for that faulty rationale in the very next part called "falibilidade".
He has a very different position on that idea and you can clearly understand that right around the 17th page where he says:
"O que há de crucial no raciocínio que desenvolvemos até agora contra a democracia é um pressuposto epistémico, isto é, relativo ao conhecimento. O pressuposto epistémico em causa é a ideia de que uma dada pessoa ou equipa de pessoas pode saber como resolver os problemas de um país sem recorrer à democracia - tal como um piloto de aviões pode pilotar o avião sem perguntar aos passageiros o que fazer a cada instante. Mas será este pressuposto razoável?

Evidentemente quem defende a suspensão da democracia até se resolver os problemas mais graves do país, tem a convicção de que sabe resolver esses problemas. Mas sabê-lo-á?
O será apenas ingénuo, pensando que sabe quando na verdade não sabe? Como podemos saber que sabe? Como sabe ele que sabe?
Quando se fazem estas perguntas, a democracia começa a parecer mais sensata. Pois se os governantes forem sistematicamente sujeitos a eleições, não poderão fazer muitos estragos durante muito tempo. Os melhores governantes podem cometer erros muito graves, ainda que tenham as melhores intenções. Mas se tiverem de se sujeitar ao veredicto popular, poderão perder o emprego rapidamente, antes de as suas bem-intencionadas asneiras se tornarem demasiado graves. (O preço a pagar é a possibilidade de políticos oportunistas que adoptam políticas muito populares, a curto prazo, mas muito danosas a médio ou longo prazo.)

Quando se raciocina desta maneira, a democracia surge não tanto como um regime que permite o melhor, mas antes como um regime que evita o pior. Por mais que um político esteja convencido de que conseguiria melhorar o seu país suspendendo os controlos democráticos, isso pode ser uma ilusão: na verdade, poderia piorá-lo. Afinal, na história da humanidade as ditaduras não são conhecidas por conseguirm bons níveis de bem-estar e desenvolvimento nos países em que foram instituídas
(...)
Assim, mesmo admitindo que algumas pessoas poderão ter melhores talentos governativos do que outras, a única maneira de o saber é pôr várias pessoas a competir por cargos governativos. O que nos leva outra vez à democracia e à ideia de eleições livres, diferentes partidos políticos e discussão política pública.
Um raciocínio breve foi suficiente para tornar a democracia plausível: é uma maneira de lidar com as nossas limitações humanas. Talvez fosse melhor ter governantes muitíssimo competentes, sem a chatice dos processos democráticos que envolvem eleições, campanhas e discussões públicas - mas não temos como garantir que esses governantes seriam realmente competentes. Poderiam sê-lo, mas poderiam também não o ser.
E se não o fossem, nada poderíamos fazer para os despedir.
"

So I don't really see it as an endorsement for anti-democracy but actually he's presenting both sides of the problem and makes them collide repeatedly throughout the book, so that the reader can be presented by all the conflicting views and think deeply about them, without any sort of dogmatic position (isn't that the whole point of this book, by the way?).

I think it would be better to stop jumping to reductio ad hitlerum so soon. It's not even funny anymore. That has been played out way too many times.

Ps: I'm a huge supporter of democracy, specially direct/participative democracy.


Ricardo Baptista Considerando que o livro está escrito em português e que não existe noutras línguas, porquê escrever em inglês?


back to top