Portugal discussion

148 views
Novidades/ Informações > Mel Editores

Comments Showing 1-23 of 23 (23 new)    post a comment »
dateDown arrow    newest »

message 1: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments Descobri esta editora recentemente: a Mel Editores.
Descobri-a graças ao livro "Os Miseráveis" de Vítor Hugo; e isto porque o livro custa à volta de 25 euros e é de capa dura.
Coisa que me irritava com a editora que praí anda, que vende o livro a 38 euros!!
E por essa razão nunca cheguei a ler a obra.

Dêem uma vista de olhos na colecção "Clássicos da Literatura Universal" que contém grandes obras, e todas a preços muito amigos! (como exemplo: "Amor de Perdição" por 8,40€).

http://www.modernaeditorial.com/livro...

Tem muitos autores portugueses como Cesário Verde, Guerra Junqueiro, Raúl Brandão, Júlio Dinis, António Nobre, e muitos mais...

Espero que consigam enriquecer a colecção com obras de Virgílio Ferreira, pois gostaria imenso de ter livros dele; coisa que não acontece com a editora "Bertrand", que vende os livros demasiado caro.

É o que eu digo, defendo a ideia que certos livros da literatura portuguesa deveria ser vendida ao preço de produção. Não faz qualquer sentido pagar 30 euros pela "Livro do Desassossego", ou 20 e tal pelo "Manhã Submersa"...

O estado português só poderia ficar a ganhar em ter um povo enriquecido com esses livros, espalhados por essas estantes vazias!, nas casas de todos os portugueses, por esse país fora, por esse mundo fora!

Votem em mim!
A.


message 2: by Ana (new)

Ana (anacnunes) | 49 comments Mesmo assim "Os miseráveis" está um livro bem caro, tendo em conta que já não têm de pagar direitos de autor nem coisa que se assemelhe.
O mal de grande parte das editoras portuguesas que editam clássicos, é que se aproveitam disso para ganharem dinheiro, sim porque é tudo a meter para o bolso, já que a maioria das obras estão no domínio público e assim sendo só têm mesmo de pagar a tradução (no caso de a haver) e a produção, o resto é lucro.
Depois admiram-se que os portugueses leiam pouco.

Mas obrigada pela dica.


message 3: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments Eu até já enviei um e-mail para uma editora a comentar isso mesmo.
Por causa da edição de capa dura que a editora 'Cotovia' tem das obras 'Ilíada' e 'Odisseia' de Homero.
Disse-lhe num texto de 30 linhas o que eu pensava de eles venderem duas obras com quase 3000 anos, por mais de 30 euros.
A edição de bolso é uma piada.

Nunca me responderam.

A.


message 4: by Adriana (new)

Adriana | 2 comments Tenho a edição de bolso dos Miseráveis (5 volumes) da Europa América. Acho que me custaram 300$00 cada um... sim já foi há mais de 12 anos que os comprei.. :-)


message 5: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments trezentos paus? :)

Mas eu tenho um privilégio: posso ler a obra na língua original ;)

Desde que li a 'suite francesa' que deixem de ler traduções de livros do françês. (tão má, este tradução!!)

A.


message 6: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) tens sorte, o meu francês é terrivel...tenho de tentar ler algo simples. recomendaçoes?


message 7: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments recomendações? sim. Simples? não. Marcel Proust.


message 8: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) tenho o em busca do tempo pedido a minha espera na prateleita


message 9: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments não podias ter melhor espera :)


message 10: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) é bom saber


message 11: by Nícia (new)

Nícia | 8 comments O facto de os livros serem caros não é desculpa para o fraco hábito de leitura dos portugueses: existem as bibliotecas que são a custo (quase) zero e agora com a internet torna-se muito mais fácil a troca de livros (existem sites especializados para isso).

Não concordo quando dizem que os livros devem ser vendidos ao custo de produção. Claro que o objectivo das editoras é ganhar dinheiro (não o é o de toda a gente que trabalha?), o problema é às vezes abusarem nos preços praticados. Em vez de ganharem, por exemplo 3€ por livro, poderiam ganhar apenas um...

Em jogo estão muito mais que traduções e impressões, a editora tem outras contas para pagar: aos designers e aos editores propriamente ditos (aqueles que verificam se a obra tem algum erro ortográfico, gramatical, etc), entre outros elementos necessários para que a instituição funcione correctamente.


message 12: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments Oi Nícia,
sim, tens razão.

Eu cada vez mais defendo as vantagens das bibliotecas. tenho acesso a várias e acho que vou deixar de comprar livros.


message 13: by Nícia (new)

Nícia | 8 comments Livros só compro os que realmente gosto e dos quais tenho vontade de reler vezes sem conta. Ou então quando surgem aquelas promoções irresístiveis. Se comprasse todos os livros que leio já estava falida há muito tempo. :)


message 14: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) o problema das bibliotecas é que não têm os livros mais recentes


message 15: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments bem... recentes,recentes, não. mas sofrem actualizações bastante frequentemente. pelo menos as duas bibliotecas a que tenho acesso.
mas há tanta coisa interessante por ler... tem mesmo de ser livros recentes?


message 16: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) nem sempre, mas a biblioteca onde eu vou só tem livros mesmo antigos que eu já li...


message 17: by Nícia (new)

Nícia | 8 comments Mas se fores à FNAC podes ler os livros mais recentes, tens é de os ler lá. Por acaso na biblioteca onde eu vou tem alguns livros recentes. :)


message 18: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) eu sei eu as vezes faço isso...;P


message 19: by Kendall (new)

Kendall (kendallfurlong) | 14 comments É um pouco como a velha questão do ovo e a galinha. Le pouco porque os livros são caros; são carlos porque poucos leêm (os editores não tem economia de escala). Um primeiro passo, talvez, sería eliminar qualquer imposto sobre livros. Segundo sería eliminar a televisão. Este último se presta mais a um livro de literatura fantástica.


message 20: by Adriano (new)

Adriano Godinho (adrianogodinho) | 66 comments Olá Kendall. Eu não estou de acordo com a total erradicação da televisão. Não a vejo muito (e já passei por uma fase de não ver televisão nunca) mas há programas que são de uma qualidade inquestionável. A última vez que a liguei (na rtp2, de Portugal) descobri isto: 6 milhões como tu. Por isso vale sempre a pena deitar um olho sobre o que se passa.


message 21: by Kendall (new)

Kendall (kendallfurlong) | 14 comments Foi com uma certa ironia, mas não total. Nos EEUU onde resido, o "CableTV" tem centenas de canais, e so ums 4 ou 5 que prestam, e mesmo estes tem programas problemáticos. Cancelei recentemente a minha subscrição. O televisor agora só para filmes ou qdo preciso duma tela grande para o computador.
Na minha lista de livros interesantes a serem escritos, está "Ensaio sobre a desaparecimento da televisão" por José Saranago.


message 22: by Andrez (new)

Andrez (andrez-ssi) lol!


message 23: by Catarina (new)

Catarina Coelho | 12 comments Adriano wrote: "Descobri esta editora recentemente: a Mel Editores.
Descobri-a graças ao livro "Os Miseráveis" de Vítor Hugo; e isto porque o livro custa à volta de 25 euros e é de capa dura.
Coisa que me irrita..."



Por acaso também conheci esta editora por causa de "Os Miseráveis". Já andava para comprar este romance há que tempos e a edição agradou-me imenso!
Só me irrita o facto de traduzirem os nomes das personagens (João Valjean em vez de Jean Valjean, por exemplo): detesto que as editoras façam isto, seja qual for a língua. E ainda por cima, independentemente do meu gosto pessoal, não é correcto fazer-se isso, já que os nomes não se traduzem (excepto em casos como, por exemplo, as personagens Veracidade ou Olhos-de-Noite de Robin Hobb, por razões óbvias). Mas a tradução de nomes de personagens é um mal que há um pouco por todo o lado, não é só na Mel Editores. Felizmente, já não se faz tanto isso, mas ainda se continua a fazer aqui e ali, sobretudo com os clássicos.

Mas voltando um pouco atrás, agrada-me bastante a aposta em clássicos desta editora, pois acho que ainda há falta de clássicos no mercado de livros português e isso é, para dizer o mínimo, uma pena.


back to top