Felisberto's Reviews > Budapeste

Budapeste by Chico Buarque
Rate this book
Clear rating

by
8744128
's review

liked it

Não sendo para todos os gostos, na minha opinião este livro apresenta como ponto de interesse a provável profundidade de possíveis interpretações e sensações com que nos termina porque acho que nós terminamos exatamente com o personagem principal: o que realmente isto significa? Pois bem, com a duplacidade de um personagem que se desdobra em dois ghost-writers, trilhamos com interesse a existência de uma pessoa entre o Brasil e a Hungria.

Sem uma estrutura cronologicamente organizada, este livro é todo ele uma sucessão de ideias e de recordações de um escritor que parece nunca se encontrar a si mesmo. No entanto, sem mostras de procurar atribuir-se um significado existencial, este ghost-writer apresenta uma capacidade absoluta de explorar literariamente a beleza existencial a partir da pele de outras pessoas. Fazendo uma adequação a um excerto da obra podemos dizer que para a duplacidade do personagem escritor, “Não me aborrecia caminhar assim num mapa, talvez porque sempre tive a vaga sensação de ser eu também o mapa de uma pessoa.”.

Da minha parte fica a impressão que com a dupla faceta de ghost-writer, no Brasil identificamos a prosa de um personagem afeto à vida real, isto é, de um escritor competente e criativo mas não sonhador que, como ghost-writter, escreve teses, discursos políticos, autobiografias, etc., procurando assim alcançar mais daqueles sobre quem escreve do que de si próprio enquanto escritor; já na Hungria, a outra faceta do ghost-writer revela-se à descoberta de novas habilidades onde o seu ímpeto criador é autêntico e parece realmente se realizar como escritor através da poesia, ou seja, nesta faceta o ghost-writer vive uma vida mais sonhada e, embora “vítima” do seu próprio ofício na reta final da obra, sente o que ao longo da narrativa deste livro desde sempre pareceu desejar sentir como pessoa que é um escritor: o reconhecimento sentimental e artístico da sua obra por parte da mulher amada. Por esta mesma razão, recorrendo a outro excerto da obra, para este escritor fica a ideia de que, de facto, “Fora da Hungria não há vida” pois é neste país que, embora assente numa mentira, se sente realmente considerado.

Não achando um desassossêgo literário, na minha opinião este é um livro suficientemente justificado para ser lido.
2 likes · flag

Sign into Goodreads to see if any of your friends have read Budapeste.
Sign In »

Reading Progress

2019 – Started Reading
2019 – Finished Reading
February 6, 2019 – Shelved
February 6, 2019 –
25.0%
February 6, 2019 –
25.0% "“Não me aborrecia caminhar assim num mapa, talvez porque sempre tive a vaga sensação de ser eu também o mapa de uma pessoa”"
February 7, 2019 –
65.0%

No comments have been added yet.