Mistério Quotes

Quotes tagged as "mistério" (showing 1-30 of 51)
Pedro Chagas Freitas
“Deus: momento em que só o inexplicável consegue explicar o que sentes.”
Pedro Chagas Freitas

Filipe Russo
“Mas há forças ainda maiores operando no plano: cada indivíduo, um verbo no infinitivo à espera de conjulgação.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Eu danço um encantamento feito de sangue.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Até ainda a pouco eu corria pelo prado enquanto o sangue da presa ou adversário? Ainda escorre pelo meu rosto.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Todos meus relógios badalam a mesma prece.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Eu enfim aglutinei em quantidades apocalípticas.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Antoine de Saint-Exupéry
“Quando o mistério é impressionante demais, a gente não ousa desobedecer.”
Antoine de Saint-Exupéry

No nível mais fundamental cada nova elucidação apenas adensa o mistério ainda mais.
“No nível mais fundamental cada nova elucidação apenas adensa o mistério ainda mais.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

As palavras se cristalizaram em mim, nucleação da profecia.
“As palavras se cristalizaram em mim, nucleação da profecia.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“De um passado sombrio a um futuro brilhante eu desembrulho um presente misterioso.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Eu utilizo a própria tessitura do multiverso para emendar meu coração despedaçado enquanto minhas tatuagens sangram o transbordar da dor.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Vaga vaga vaga.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Dilúvios e mais dilúvios escorriam dos meus olhos a me banhar, me naufragar, me afogar no lago da sabedoria do qual um dia eu emergiria?”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Eu fruí a própria treva viva.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Termos de raciocínio constituem patamares; as escadarias entre um e outro se atravessa sem corrimão, de pés descalços, no próprio breu.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Ungido com breu pela escuridão eu atravessei a própria treva viva.
“Ungido com breu pela escuridão eu atravessei a própria treva viva.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Ungido com breu pela escuridão eu atravessei a própria treva viva. E a trouxe junto
“Ungido com breu pela escuridão eu atravessei a própria treva viva. E a trouxe junto comigo.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

A cada instante a existência se reorganiza numa distribuição sempre outra, rumo ao quê? Eu
“A cada instante a existência se reorganiza numa distribuição sempre outra, rumo ao quê? Eu não sei.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Cadê? Cadê o quê?! À espera, à procura; nossas preliminares.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“O vidente evidencia a vida em visões e meus olhos se cegaram para as verdades menores e apenas o supersônico das microfraturas me guia na escuridão forjatriz.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Eu transvidro-me num espelho trincado de água negra.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Guia guia guia.
“Guia guia guia.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Filipe Russo
“Resvalo. Em tudo o quanto eu quis de mais vivo e quando me viro pra ver já não há mais nada ali, nem ao menos uma névoa de mistério pairando no ar.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Fyodor Dostoyevsky
“O amor é um mistério divino, que deve permanecer escondido aos olhos de todos, aconteça o que acontecer.”
Fyodor Dostoyevsky, Notes from Underground, White Nights, The Dream of a Ridiculous Man, and Selections from The House of the Dead

Se eu tivesse tido o que merecia não teria me tornado merecedor deste isto que
“Se eu tivesse tido o que merecia não teria me tornado merecedor deste isto que sou, coisa sem nome nem valor.”
Filipe Russo, Caro Jovem Adulto

Paulo Varela Gomes
“O mistério adensa-se. Costuma escrever-se com ironia esta frase que em tempos deve ter sido pensada seriamente porque é apropriada: um mistério, qualquer que ele seja, é como o nevoeiro, a água, o fumo, ou seja, é um fenómeno da ordem do líquido ou do gasoso, não do sólido. Um mistério não tem forma fixa, tem somente mais ou menos densidade, quer dizer, mais ou menos existência. É evidente que um mistério pouco denso não é nada misterioso.”
Paulo Varela Gomes, Hotel

Paulo Varela Gomes
“Joaquim Heliodoro ficou surpreendido com o seu próprio desinteresse pelo mistério dos Teulier e da escada secreta e, ao comparar o alívio resultante de tal desinteresse com o sentimento de convalescença feliz que experimenta um viciado quando consegue abdicar do seu vício, ao menos momentaneamente, julgara localizar na curiosidade o coração escondido da sua psique, e na fantasia ou na narração o seu mecanismo de funcionamento.”
Paulo Varela Gomes, Hotel

Paulo Varela Gomes
“E com esta conclusão, acrescida à ideia de prosseguir o inquérito aos movimentos e hábitos de Joaquim Heliodoro, o espírito de Manuela entra em paz. Se fosse mais atrevida ou corajosa no exame de suas motivações, descobriria que o mistério que o mistério que Joaquim Heliodoro constitui para ela é inseparável daquele que ela própria constitui, porque o bispo Berkeley, pai do idealismo solipsista, a que chamava "imaterialismo", tinha uma espécie de razão metafórica ao sustentar que só o Eu existe e tudo o resto é uma função ou ilusão do Eu, significando isto, para o caso que aqui importa, que Joaquim Heliodoro só pode ser uma figura intrigante para aqueles que se assemelhem a ele no todo ou em parte, ou com ele se identifiquem. Ninguém se interessa por estranhos, tal como ninguém quer descobrir aquilo de que ainda não tem qualquer suspeita ou aquilo que não lhe desperta qualquer vontade interior.”
Paulo Varela Gomes, Hotel

Ana Teresa Pereira
“– Há uma rua... no fundo da povoação. As casas parecem desabitadas.
– Mas não estão. Sei a que te referes.
– É como se a tivesse visto antes.
Ele encolheu os ombros.
– É natural. Sempre gostaste de passear sozinha.
– É como se a tivesse visto em sonhos.
– Há imagens no fundo de nós, são talvez sombras de outras, mais antigas, que vêm de trás.
– Imagens fantásmicas.
– E se encontramos lugares que se assemelham a elas, é claro que isso nos perturba.
– Como um reflexo no fundo de um poço.
– Como o nosso reflexo no fundo de um poço, sim.”
Ana Teresa Pereira, Karen

Ana Teresa Pereira
“– Há uma rua... no fundo da povoação. As casas parecem desabitadas.
– Mas não estão. Sei a que te referes.
– É como se a tivesse visto antes.
Ele encolheu os ombros.
– É natural. Sempre gostaste de passear sozinha.
– É como se a tivesse visto em sonhos.
– Há imagens no fundo de nós, são talvez sombras de outras, mais antigas, que vêm de trás.
– Imagens fantasmáticas.
– E se encontramos lugares que se assemelham a elas, é claro que isso nos perturba.
– Como um reflexo no fundo de um poço.
– Como o nosso reflexo no fundo de um poço, sim.”
Ana Teresa Pereira, Karen

« previous 1