Goodreads helps you keep track of books you want to read.
Start by marking “Uma Abelha Na Chuva” as Want to Read:
Uma Abelha Na Chuva
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating
Open Preview

Uma Abelha Na Chuva

3.64  ·  Rating details ·  306 Ratings  ·  22 Reviews
Uma Abelha na Chuva conta-nos as peripécias de Álvaro Rodrigues Silvestre, sujeito às “instigações” de sua esposa, D. Maria dos Prazeres Pessoa de Alva Sancho Silvestre. O livro começa com uma confissão de Álvaro e com a sua vontade de a tornar pública na primeira página da Comarca — uma redenção consigo próprio.

Esta história leva-nos à aldeia de Montouro num Outono chuvo
...more
Paperback, 180 pages
Published October 25th 1996 by Livraria Sá da Costa (first published 1953)
More Details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.

Reader Q&A

To ask other readers questions about Uma Abelha Na Chuva, please sign up.

Be the first to ask a question about Uma Abelha Na Chuva

Community Reviews

(showing 1-30)
Rating details
Sort: Default
|
Filter
Teresa
Nov 21, 2011 rated it it was amazing
Shelves: n-portugal, e5
Uma Abelha na Chuva é um romance sobre a solidão, o medo da morte, a ambição, a ignorância, a crueldade, o ódio, o desejo,...
E o amor, representando por quatro pares:
Maria e Álvaro. Um casamento de interesse entre a aristocrata arruinada e o plebeu rico.
Abel e D. Violante. O padre e a sua "irmã". Um amor proibido pelas convenções sociais e religiosas.
Dr. Neto e D. Cláudia. São eternos namorados. D. Cláudia tem uma saúde frágil e não lhe "parece justo chamar à vida um ser doentio, deformado ou l
...more
Carmo
Oct 18, 2016 rated it really liked it
Shelves: portugal, my-bib
Imagem de um Portugal rural de mentalidade obsoleta; onde se cultivam as aparências e se nega a decadência, onde se vive com medo da morte e com medo de não saber viver, onde se afogam os instintos e renega a realidade, onde a vingança serve de remendo à cobardia, e a morte pode ser castigo e salvação.
Extremamente bem escrito e envolvente agarra da primeira à última página. Para ler devagar e com atenção tentando desvendar toda a simbologia.

Nelson Zagalo
Aug 09, 2017 rated it it was amazing
Vi o filme na adolescência, a adaptação (1971) de Fernando Lopes , e não gostei. Ficou-me marcado o estilo nada natural, o ritmo lento e entrecortado, combinado com um título que sempre me pareceu ingénuo, pelo simbólico e fragilidade do insecto, incapaz de gerar interesse. Por isso tive sempre relutância em pegar no texto original de Carlos de Oliveira. Admito que foi um erro, o texto é superior, ou talvez o facto de hoje ter mais do dobro da idade me faça sentir tudo tão diferentemente.

Carlos
...more
Ana
Sep 22, 2015 rated it really liked it
“sangue por dinheiro; as casas de fidalgos na penúria amparavam-se a lavradores boçais e ricos, a sólidos comerciantes, retemperavam o brasão no suor da boa burguesia; e os Alvas não fugiam à regra; quando soou a hora da miséria vieram entregar a menina aos lavradores do Montouro”
Uma Abelha na Chuva é um romance de cariz neo-realista, que tem por cenário a decadência económica e moral de uma certa elite social provinciana. Numa época em que a aristocracia havia perdido poder económico para um
...more
Paula M.
Jun 05, 2017 rated it really liked it
Lê-se num dia e finalmente já sei quem é a abelha que ficou à chuva. O título é tão bonito.

" E quando ela fez dezoito anos, o pai fidalgo, que era Pessoa , Alva e Sancho (...) negociou o casamento da filha com os Silvestres, lavradores e comerciantes: sangue por dinheiro. (...)
- Assim seja , concordou o pai de Álvaro Silvestre, compra-se tanta coisa, compre-se também a fidalguia."

O rastilho desta história é o dinheiro. Mas o dinheiro apenas salva a fidalga D. Prazeres da pobreza e em nada mais
...more
Joanne Freitas
Mar 09, 2017 rated it liked it
Não é o meu género de livros mas até foi um leitura interessante
Pedro Varanda
Sep 30, 2015 rated it liked it
Este é um livro que 60 anos depois de ter sido escrito, torna-se difícil de entender a agitação que deixou no panorama cultural português dos anos 50. É um livro de grande intensidade dramática escrito ao melhor estilo neo-realista, na sua denuncia das desigualdades sociais existentes. No entanto na minha opinião está longe do rotulo de grande clássico da literatura portuguesa. De qualquer forma recomendo.
Rosa Ramôa
Apr 23, 2014 rated it it was amazing
Da água ao fogo...

https://youtu.be/XYXUi-imbbM
Nuno Neves
Oct 19, 2017 rated it it was amazing
Um exemplar perfeito do neorrealismo português. Tive de ler este livro no âmbito de uma cadeira minha e acabei por ficar deslumbrado! Um livro fácil de ler, que nos descontrai, sem deixar de pugnar por um mundo melhor, com menos desigualdades sociais e com menos lutas entre classes. Li-o muito rapidamente e não é que o meu tempo para o ler fosse muito, portanto, aproveitem-no!
Sara Bôto
Mar 19, 2015 rated it it was amazing
É fantástico! Mal tenho palavras para descrevê-lo (o que não acontece com todos os livros!). Um romance tipicamente neo-realista, que surpreende os seus leitores quando menos esperam, com uma ação rápida, circular e absolutamente inebriante, na qual todas as personagens parecem ser indispensáveis ao decorrer dos acontecimentos: desde a rígida e simultaneamente triste Maria dos Prazeres, ao miserável do seu marido, Álvaro Silvestre,aquele que apresenta mais defeitos e, curiosamente, o mais humano ...more
Marchela Petrova
Jan 13, 2014 rated it liked it
O livro foi interessante, mas a puntuação confundia-me e muitas vezes não percebia o que se passava. Eu fiz muitas comparações entre as pessoas e as abelhas. Por um lado, vendo as abelhas como 'bichinhos sábios' e tomando em conta que a chuva mata as abelhas, podemos dizer que o juízo na vila quase falta. A personagem de que mais desgostei foi essa do Álvaro Silvestre. Ele tem personalidade fraca, é um medroso completo, não gosta de trabalhar, mas no mesmo tempo gosta de beber alcóol no cada tem ...more
Francisco Cambim
Nov 10, 2016 rated it really liked it
«Por hábito, lançou os olhos às colmeias, que lhe ficavam mesmo em frente, dez ou doze metros, se tanto, e viu uma abelha voar da Cidade Verde. Baptizava as colmeias conforme a cor de que as pintara, Cidade Verde, Cidade Azul, Cidade Roxa. A abelha foi apanhada pela chuva: vergastadas, impulsos, fios do aguaceiro a enredá-la, golpes de vento a ferirem-lhe o voo. Deu com as asas em terra e uma bátega mais forte espezinhou-a. Arrastou-se no saibro, debateu-se ainda, mas a voragem acabou por levá-l ...more
Catarina Graça
Feb 08, 2014 rated it liked it
http://ler-por-ai.blogspot.pt/2014/02...


Gostei muito de ler este livro, fez-me lembrar os que líamos nas aulas de português do liceu, mas sem a pressão dos testes e avaliações – super positivo! Deve ter feito parte, em alguma altura, do currículo académico porque tem umas notas escritas à mão sobre Neo-Realismo que tive de ir “googlar”, confesso a minha ignorância, talvez por ser das ciências, nunca tinha estudado este livro nem nenhum desta corrente literária. Peguei nele porque o vi numa estan
...more
Sanju Hans
Apr 30, 2013 rated it really liked it  ·  review of another edition
Unter der gespenstischen Herrschaft des Diktators Salazar und seiner Geheimpolizei PIDE lebt Portugal seit einem Vierteljahrhundert mit dem Rücken zu Europa und zur Weltgeschichte. Gott, Vaterland, Autorität und Arbeit heißen die Werte, in deren Namen Parteien, Gewerkschaften und die Presse unterdrückt werden. Nach außen gibt sich das Land 'orgulhosamente só', stolz und einsam. Im Innern herrschen Ordnung und Stabilität, Ruhe und Stagnation, Lähmung und Morbidität.
In geradezu lyrischer Eindringl
...more
Rita Reis
Maria dos Prazeres, de uma família de fidalgos, casou com Álvaro Silvestre, um lavrador e comerciante, de uma família endinheirada, mas não suporta o marido. Este último idolatra a mulher e sente-se rejeitado e diminuído. Ao descobrir acidentalmente que a mulher "deita olhinhos" ao cocheiro arma uma intriga contra o rapaz que acaba com a sua morte.

Uma abelha na chuva é atirada ao chão pelos pingos e acaba esmagada no solo pela força das gotas de água que caem. Assim, os humanos são, por vezes e
...more
Sonia Almeida Dias
Nov 10, 2013 rated it liked it
Shelves: portugueses
Interesting book, and I was already missing reading something in portuguese. It portrays a time of change in our country, when the rich and powerful where no longer so rich and where loosing their power, and were struggling to deal with that. A type of literature that I like, being fiction it also shows something about a time, a feeling, that eventually lead to revolution that changed some things. Maybe we need to rethink some of these things in our days again.
Sanju Hans
Apr 30, 2013 rated it really liked it
"Eine Biene im Regen"
Sara Williams
excelentes analogias mas digamos que o livro em si não foi uma colmeia
Tiago
Dec 26, 2013 rated it really liked it
Shelves: expedit
"Arrastou-se no saibro, debateu-se ainda, mas a voragem acabou por levá-la com as folhas mortas."

O último livro do ano com uma boa dose de pessimismo.
Rita
Oct 16, 2012 rated it liked it
Not one of my favorites
Ke
May 25, 2012 rated it really liked it
In my opinion, Carlos de Oliveira is like a Portuguese William Faulkner. Oliveira provides a realistic yet interesting account of the life among the countryside people.
Catarina
Leitura no âmbito do programa da disciplina de Literatura Portuguesa.
Rita Fernandes
rated it it was amazing
Feb 18, 2013
Mariana Reis
rated it really liked it
Apr 28, 2013
Cátia
rated it liked it
Jul 26, 2012
Emanuel
rated it liked it
Dec 30, 2016
Miguel Z
rated it it was amazing
Nov 29, 2012
Sérgio
rated it really liked it
Jan 23, 2015
Paulo F. Oliveira
rated it really liked it
Jan 23, 2011
Monica
rated it it was ok
Jul 03, 2012
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • De Profundis, Valsa Lenta
  • A Sibila
  • A Costa dos Murmúrios
  • O que diz Molero
  • O Livro de Cesário Verde
  • A Queda dum Anjo
  • Cão Como Nós
  • Esteiros
  • Húmus
  • Loucura...
  • O Retorno
  • Manhã Submersa
  • Sonetos
  • Só
  • Para Onde Vão Os Guarda-Chuvas
  • Mensagem - Poemas Esotéricos
  • Farsa de Inês Pereira
  • Hotel Memória
981898
Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Coimbra (1933) e foi um dos iniciadores do movimento neo-realista. Colaborou nas revistas Altitude, Seara Nova e Vértice (de que foi director). Poeta e romancista, estreou-se com o volume de poemas Turismo (1942) e o romance Casa da Duna (1943). Publicou depois os volumes de poemas Mãe Pobre (1945), Colheita Perdida (1948), D ...more
More about Carlos de Oliveira...