Daniel Faria





Daniel Faria


Born
in Baltar, Portugal
April 10, 1971

Died
June 09, 1999

Website

Genre


DANIEL AUGUSTO DA CUNHA FARIA nasceu em Baltar, Paredes, a 10 de Abril de 1971. Licenciado em Teologia pela Universidade Católica Portuguesa, Porto, e em Estudos Portugueses na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Colaborou nas revistas Atrium, Humanística, Via Spiritus e Limiar. A partir de 1990, e durante vários anos, esteve ligado à paróquia de Santa Marinha de Fornos, Marco de Canaveses. Aí demonstrou o seu enorme potencial de sensibilidade criativa encenando, com poucos recursos, As Artimanhas de Scapan e o Auto da Barca do Inferno. De entre os seus escritos dispersos incluem-se Oxálida(1992), A casa dos ceifeiros (1993), Explicação das árvores e de outros animais(1998) e Homens que são como lugares mal situados (1998), tendo ...more

Average rating: 4.7 · 117 ratings · 7 reviews · 9 distinct works
Poesia

4.72 avg rating — 61 ratings — published 2003 — 3 editions
Rate this book
Clear rating
Explicação das Árvores e de...

4.64 avg rating — 14 ratings — published 1998 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
Homens Que São Como Lugares...

4.71 avg rating — 14 ratings — published 1998 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
Dos Líquidos

4.71 avg rating — 14 ratings — published 2000 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
O Livro do Joaquim

4.67 avg rating — 6 ratings — published 2007
Rate this book
Clear rating
28 Portuguese Poets

by
4.71 avg rating — 7 ratings — published 2015
Rate this book
Clear rating
Jesus é _______.: Como você...

by
4.31 avg rating — 3,222 ratings — published 2013 — 18 editions
Rate this book
Clear rating
Amormetria: Jornadas Amoros...

by
0.00 avg rating — 0 ratings — published 2015
Rate this book
Clear rating
Amormetria: jornadas amoros...

by
0.00 avg rating — 0 ratings — published 2015
Rate this book
Clear rating
More books by Daniel Faria…
“As mulheres aspiram a casa para dentro dos pulmões
E muitas transformam-se em árvores cheias de ninhos – digo,
As mulheres – ainda que as casas apresentem os telhados inclinados
Ao peso dos pássaros que se abrigam.

É à janela dos filhos que as mulheres respiram
Sentadas nos degraus olhando para eles e muitas
Transformam-se em escadas

Muitas mulheres transformam-se em paisagens
Em árvores cheias de crianças trepando que se penduram
Nos ramos – no pescoço das mães – ainda que as árvores irradiem
Cheias de rebentos

As mulheres aspiram para dentro
E geram continuamente. Transformam-se em pomares.
Elas arrumam a casa
Elas põem a mesa
Ao redor do coração.”
Daniel Faria, Poesia