Ailton Krenak


Born
in Vale do Rio Doce, Brazil
September 29, 1853

Genre


Ailton Krenak é escritor, roteirista, porta-voz e pensador indígena. Integrante da comunidade dos Krenak, aos dezessete anos migrou com seus parentes para o estado do Paraná. Posteriormente, tornou-se produtor gráfico e jornalista. Dedica-se ao movimento indígena desde muito jovem. Graças a esforços coletivos e do próprio escritor, o número de indivíduos de sua comunidade voltou a subir, depois de sofrer grande queda em números totais até os anos 1980, e fechou o século 20 com 150 indivíduos. É professor doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Participou da antologia A outra margem do ocidente (Minc-Funarte/ Companhia das Letras, 1999), e publicou a entrevista Ailton Krenak (Azougue, 2015) e O lugar onde a Terra desc ...more

Average rating: 4.31 · 5,398 ratings · 502 reviews · 7 distinct worksSimilar authors
O Amanhã Não Está à Venda

4.33 avg rating — 2,685 ratings — published 2020 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
Ideias para Adiar o Fim do ...

4.25 avg rating — 2,249 ratings — published 2019 — 10 editions
Rate this book
Clear rating
A Vida Não É Útil

by
4.47 avg rating — 455 ratings — published 2020 — 3 editions
Rate this book
Clear rating
Radicalmente Vivo

it was amazing 5.00 avg rating — 5 ratings
Rate this book
Clear rating
Caminhos para a cultura do ...

by
4.50 avg rating — 4 ratings
Rate this book
Clear rating
Sonhos e Memorias: Reaprend...

by
0.00 avg rating — 0 ratings
Rate this book
Clear rating
No Tremor do Mundo: ensaios...

by
0.00 avg rating — 0 ratings — published 2020 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
More books by Ailton Krenak…
“nosso tempo é especialista em criar ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar, de cantar. e está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta, faz chover. o tipo de humanidade zumbi que estamos sendo convocados a integrar não tolera tanto prazer, tanta fruição de vida. então, pregam o fim do mundo como uma possibilidade de fazer a gente desistir dos nossos próprios sonhos. e a minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história. se pudermos fazer isso, estaremos adiando o fim.”
Ailton Krenak, Ideias para Adiar o Fim do Mundo

“Michel Foucault tem uma obra fantástica, Vigiar e punir, na qual afirma que essa sociedade de mercado em que vivemos só considera o ser humano útil quando está produzindo. Com o avanço do capitalismo, foram criados os instrumentos de deixar viver e de fazer morrer: quando o indivíduo para de produzir, passa a ser uma despesa. Ou você produz as condições para se manter vivo ou produz as condições para morrer. O que conhecemos como Previdência, que existe em todos os países com economia de mercado, tem um custo. Os governos estão achando que, se morressem todas as pessoas que representam gastos, seria ótimo. Isso significa dizer: pode deixar morrer os que integram os grupos de risco. Não é ato falho de quem fala; a pessoa não é doida, é lúcida, sabe o que está falando.”
Ailton Krenak, O Amanhã Não Está à Venda

“Os únicos núcleos que ainda consideram que precisam ficar agarrados nessa terra são aqueles que ficaram meio esquecidos pelas bordas do planeta, nas margens dos rios, nas beiras dos oceanos, na África, na Ásia ou na América Latina. São caiçaras, índios, quilombolas, aborígenes — a sub-humanidade. Porque tem uma humanidade, vamos dizer, bacana. E tem uma camada mais bruta, rústica, orgânica, uma sub-humanidade, uma gente que fica agarrada na terra.”
Ailton Krenak, Ideias para Adiar o Fim do Mundo



Is this you? Let us know. If not, help out and invite Ailton to Goodreads.