Carmen's Reviews > La Isla de los Jacintos Cortados

La Isla de los Jacintos Cortados by Gonzalo Torrente Ballester
Rate this book
Clear rating

by
5695913
's review
Jul 29, 12

bookshelves: 2006
Read in March, 2006

Entrei na Fnac em busca de um livro que agarrasse, mais do que os que aumentam a pilha de livros para ler que anda lá por casa e após muito procurar sem nada me entusiasmar, perguntei a uma assistente:
- Gosta de ler?
Os seus olhos brilharam com a pergunta e respondeu-me:
- Sim, claro, gosto muito.
- Diz-me um livro que a tenha apaixonado recentemente?
Ela olha para as estantes e vê a re-edição do Don Juan e fala-me, com os olhos a brilhar de Gonzalo Torrente Ballester, um escritor fantástico. Fala-me dele e de um outro escritor espanhol de que me não lembro do nome e cujo livro que ela preferia estava de momento esgotado.

Fiquei-me portanto pelo Ballester, aconselhou-me o Don Juan (que não trouxe por pensar ter cá por casa) e um outro, qualquer coisa com a Alice no País da Maravilhas ou a Bela Adormecida que não encontrei na livraria naquele dia (hoje, pesquisando na bibliografia do autor interrogo-me se seria “A bela adormecida vai à escola”). Agradeci-lhe e comecei a correr as páginas dos livros do autor que estavam disponíveis e escolhi este “A ilha dos jacintos cortados”.

De início arrebatou-me pela história dentro da história, mas a prosa densa, corrida e sem paragens de diálogos, cansou-me, não se adequava ao pouco tempo de leitura antes de adormecer de que dispunha naqueles dias. Agora, voltei a pegar-lhe e a redescobrir as personagens das duas histórias. O livro desenvolve-se numa carta a Ariadne, uma estudante por quem o narrador está apaixonado e com quem divide a casa na ilha dos jacintos cortados. Mas, Ariadne está apaixonada por Claire, um outro docente, descendente do poeta inglês Sir Ronald Sidney, e cuja tese mais recente é a defesa de que Napoleão nunca existiu, foi uma personagem inventada por um conjunto de mentes iluminadas à época da revolução francesa face à necessidade de atribuir à revolução um rosto, um líder, alguém com quer lutar e a quem derrotar.

Por via da técnica de mergulho no passado através dos espelhos, aprendidas pelo narrador do conde Cagliostro, ele próprio imortal, mergulhamos no passado de uma ilha ao largo de Itália, a ilha da Górgona, onde tem lugar uma intriga deliciosa, que culmina na descoberta da trama em torno de Napoleão. Esta história de amores, traições, luxúria e conspirações políticas decorre em paralelo com os amores por Ariadne, realidade e ficção que se tocam.

Não me apaixonaram estes jacintos, qualquer dia tenho que dar uma chance ao Don Juan, para confirmar a sugestão.
Likeflag

Sign into Goodreads to see if any of your friends have read La Isla de los Jacintos Cortados.
Sign In »

No comments have been added yet.