Ricardo Lourenço's Reviews > Eu Sou a Lenda

Eu Sou a Lenda by Richard Matheson
Rate this book
Clear rating

by
4076525
's review
May 24, 12


Único sobrevivente de uma praga cujos efeitos se assemelham ao vampirismo, Robert Neville subsiste apesar das dificuldades, matando vampiros de dia e barricando-se em casa de noite, tentando não só proteger-se das insaciáveis criaturas, mas também manter a sua própria sanidade.

O livro diferencia-se pela sua abordagem científica em detrimento dos fundamentos mitológicos que normalmente suportam as histórias de vampiros, algo que, no entanto, levou a uma desactualização acentuada pelo avanço da ciência desde a sua publicação original em 1954. Apesar disso, as falhas na explicação do vírus não são facilmente identificáveis, sendo as alterações sociais o factor que revela de forma mais evidente a antiguidade da obra.

"«A força do vampiro vem do facto de ninguém acreditar nele.» Muito obrigado, Dr. Van Helsing, pensou enquanto pousava a sua cópia do “Drácula”. Estava sentado olhando melancolicamente para a estante dos livros, ouvindo o segundo concerto para piano de Brahms, um whisky sour na sua mão direita, um cigarro nos lábios.
Era verdade. O livro era uma mistela de superstições e clichés romanescos, mas aquela frase era verdadeira; ninguém tinha acreditado neles, e como poderia alguém lutar contra algo em que não acreditava?"

A escrita simples (por várias vezes monótona) enfatiza a repetitiva rotina de Neville, uma existência entre a solidão e o horror que o arrasta para um estado de desespero, algo que procura contrariar através do álcool. Assolado pelo passado do qual não se consegue libertar e pela ausência de perspectivas futuras, é ao atingir o limiar da loucura que Neville decide enfrentar a situação, investigando a origem do vírus que destruiu o mundo que conhecia.

"Este pensamento recordou-lhe outra vez o enigma inexplicável de porque é que ele continuava. Tudo bem que havia agora algumas hipóteses que tinha de experimentar mas a sua vida ainda era uma provação estéril e sem alegrias. Apesar de tudo quanto possuía ou viria a possuir (à excepção, claro, de outro ser humano), a vida não lhe dava nenhumas garantias de que iria melhorar ou até mudar. Da maneira como corriam as coisas, viveria a sua vida com pouco mais do que aquilo que agora já tinha. E por quantos anos? Trinta, quarenta se não se matasse com a bebida entretanto.
A ideia de que ainda tinha mais quarenta anos para viver dava-lhe arrepios.
E, no entanto, não se matava."

É através deste cenário desolador em que o protagonista, qual Robinson Crusoe, se vê rodeado por um mar de vampiros, que Richard Matheson consegue abordar temas como o efeito psicológico da solidão, a tristeza resultante da perda de entes queridos, o choque entre a moral e o instinto de sobrevivência e, com especial importância na explicação de alguns efeitos do vírus, a influência das crenças e superstições na psique humana. O desenvolvimento destes temas apela fortemente às nossas emoções, cativando o leitor de forma inesperada tendo em conta o monótono início.

"Num mundo em que o terror era a regra, a redenção não viria por ele sonhar mais ferozmente. Ao terror, conseguia adaptar-se. Mas a monotonia, tomava agora, tardiamente, consciência, era o maior dos obstáculos. Tê-lo compreendido trouxera-lhe uma espécie de paz de espírito, uma noção de que tinha deposto todas as cartas sobre uma mesa mental, examinando-as, e escolhendo, em consciência, o naipe desejado."

De forma lenta mas gradual, a história ganha força (contrastando com o declínio de Neville, através da degradação das suas aptidões sociais), culminando numa inversão de papéis que estilhaça, de forma assustadora, a ilusão que temos da nossa importância, principal base da nossa arrogância.

Apesar do peso dos anos, Eu sou a Lenda continua (e arriscaria mesmo dizer que continuará) a ser uma obra memorável e perturbadora.
3 likes · Likeflag

Sign into Goodreads to see if any of your friends have read Eu Sou a Lenda.
Sign In »

No comments have been added yet.