O Encontro Marcado
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

O Encontro Marcado

4.02 of 5 stars 4.02  ·  rating details  ·  525 ratings  ·  19 reviews
Esta é a história de um jovem em desesperada procura de si mesmo e da verdadeira razão de sua vida. Quase absorvido por uma brilhante boêmia intelectual, seu drama interior evolui subterraneamente, expondo os equívocos fundamentais que vinham frustrando sua existência e sufocando sua vocação. 'O encontro marcado' é a história de Fernando Sabino? Sim, mas não se trata de um...more
Paperback, 304 pages
Published April 15th 2001 by Record (first published 1956)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.

Reader Q&A

To ask other readers questions about O Encontro Marcado, please sign up.

Be the first to ask a question about O Encontro Marcado

Community Reviews

(showing 1-30 of 719)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
Lilian
Este é o livro de minha adolescência. Foi o que mais amadureceu minha visão de mundo, de futuro, de consciência a cerca do valor da amizade. Um dos poucos que me fez chorar e enrolar para terminá-lo. E um dos trechos preferidos é o seguinte - da conversa de Germano:
"...Ah! O verbo e o silêncio são a mesma coisa. Que coisa bonita que eu falei, minha nossa senhora. É preciso escutar o silêncio, não como um surdo, mas como um cego! O silêncio das coisas tem um sentido.
Quem não entende isso não ente...more
Julia Boechat Machado
"— Kafka era um terrorista. Incentivar todas as situações terroristas, estabelecer o pânico, lançar o terror.
E a solução? — perguntou Mauro.
A solução é a conduta católica — respondeu o amanuense Belmiro.
A solução é o próprio problema, sabe como é? Não há solução. Imagino a seguinte cena: um congresso de sábios, os mais sábios do mundo, que se reuniram para resolver o problema dos problemas, o problema transcendental, o Problema, tout-court.
O problema o quê?
Tout-court. Vá à merda.
Ah, tout-cour...more
Lean P
(view spoiler)

Este é um daqueles livros que se lê e nunca mais se é mais a mesma pessoa. Uma dissecação da própria vida humana em suas mais belas e terríveis facetas, com a frag...more
Gláucia Renata
O livro narra a vida de Eduardo, da infância à maturidade, pontuando fases de alegrias e tristezas, sucessos e fracassos, alegrias e decepções, agonia e êxtase. Poderia ser a vida de qualquer um de nós. Na minha opinião, a obra prima do autor.
Cristiana Brenner
Li na minha adolescência. Me deixou encantada. Recomendo, é mais um livro pra entrar na lista, um livro bastante poético que também vai mexer com você.
Douglas Lobo
A pergunta que o livro tenta responder: existe um destino? Temos uma missão na vida, designada para nós por Deus, ou estamos no mundo somente para viver um dia depois do outro, sem traçarmos grandes planos? A questão era válida para o Fernando Sabino na época(que tentou respondê-la por meio da confissão literária em forma de ficção), mas continua válida para muita gente por aí, que ainda não desistiu de encontrar um sentido para sua vida. Sabino antecipou em 20 anos a onda espiritualista dos ano...more
Ivan Alves
Tocante, marcou minha vida pra sempre. Um livro pra ler sido de tempos em tempos, sempre uma experiência nova.
Andresa
Mais um livro catártico que mudou muito minha visão de mundo assim como Dia do Curinga, Morangos Mofados, etc etc. Vou ler novamente porque a estória é tão rica e detalhada que preciso aproveitar cada traço, sorver cada elemento pra ter um aproveitamento quase que por completo (é meio máquina de carnot, esse livro, eu acho)
Mariana Araújo
Tem um caráter um tanto atemporal e super verossímil. Não é um livro que propõe questionar a sociedade ou trabalhar o extraordinário, mas representá-la sem pudor.
Giovanna Matta Ortolani
Um dos livros mais profundos que já li. A essência da literatura, a pulga atrás da orelha ao terminar de ler.
Sensacional!
Rita Lott
.....because it's a sort of memoir/biographical novel, because it's set in Belo Horizonte..
Marcia Baroni
I was a kid when I read this book, but I absolutely loved it.
Vitor
Livro gostoso de ler e que deixa uma saudade no final...
Alice
Light portuguese reading. Fun and intelligent.
Mariane
My favorite book when I was 13....
Juliana Mourisca
I love this book, but it disturbs me...
David Butter
Educação sentimental.
Monalisa Marques
Monalisa Marques marked it as to-read
Aug 25, 2014
Solaine Chioro
Solaine Chioro marked it as to-read
Aug 20, 2014
Mark
Mark is currently reading it
Aug 20, 2014
Marina
Marina marked it as to-read
Aug 16, 2014
Jeniffer Sales
Jeniffer Sales marked it as to-read
Aug 09, 2014
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 23 24 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • Lavoura Arcaica
  • A Vida Como Ela É...
  • Libertinagem / Estrela da manhã
  • Incidente em Antares
  • Sentimento Do Mundo
  • São Bernardo
  • Morte e Vida Severina
  • Auto da Compadecida
  • Sagarana
  • Memorial de Aires
  • O Triste Fim de Policarpo Quaresma
  • Feliz Ano Novo
  • Macunaíma
  • As Meninas
  • Morangos mofados
  • A Casa dos Budas Ditosos
52373
Fernando Sabino (October 12, 1923 - October 11, 2004) was a Brazilian writer and journalist.
Sabino was born in Belo Horizonte, Minas Gerais, where he lived until he was twenty, when he moved to Rio de Janeiro.
Sabino was the author of 50 books, as well as many short stories and essays. His first book was published in 1941, when he was just 18 years old. Sabino vaulted to national and international...more
More about Fernando Sabino...
O Grande Mentecapto O Menino No Espelho O Homem Nu A faca de dois gumes Amor de Capitu

Share This Book

“De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que ele estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro.” 12 likes
“Você, Lord Byron, é inteligente também, mas uma inteligência fina, penetrante, como aço, como uma espada. Ao contrário de mim, você é mais capaz de se fazer amado do que de amar. Sua lógica é irresistível, mas impiedosa, irritante. É desses remédios que matam a doença e o doente. Você tem sentimento poético, e muito — no entanto é incapaz de escrever um verso que preste. Por quê? Sei lá. Há qualquer coisa que te contém, que te segura, como uma mão. Sua compreensão do mundo, da vida e das coisas é surpreendente, seu olho clínico é infalível, mas você é um homem refreado, bem comportado, bem educado, flor do asfalto, lírio de salão, um príncipe, o nosso Príncipe de Gales, como diz o Hugo. Tem uma aura de pureza não conspurcada, mas é ascético demais, aprimorado demais, debilitado por excesso de tratamento. Não se contamina nunca, e isso humilha a todo mundo. É esportivo, é atlético, é saudável, prevenido contra todas as doenças, mas, um dia, não vai resistir a um simples resfriado: há de cair de cama e afinal descobrir que para o vírus da gripe ainda não existe antibiótico. — Opinião de estudante de Medicina — e Eduardo pro- curava ocultar seu ressentimento com um sorriso. — Você, agora.
(...)
— E você, Eduardo. Você, o puro, o intocado, o que se preserva, como disse Mauro. Seu horror ao compromisso porque você se julga um comprometido, tem uma missão a cumprir, é um escritor. Você e sua simpatia, sua saúde... Bem sucedido em tudo, mas cheio de arestas que ferem sem querer. Seu ar de quem está sempre indo a um lugar que não é aqui, para se encontrar com alguém que não somos nós. Seu desprezo pelos fracos porque se julga forte, sua inteligência incômoda, sua explicação para tudo, seu senso prático — tudo orgulho. O orgulho de ser o primeiro — a vida, para você, é um campeonato de natação. Sua desenvoltura, sua excitação mental, sua fidelidade a um destino certo, tudo isso faz de você presa certa do demônio — mesmo sua vocação para o ascetismo, para a vida áspera, espartana. Você e seus escritores ingleses, você e sua chave que abre todas as portas. Orgulho: você e seu orgulho. De nós três, o de mais sorte, o escolhido, nosso amparo, nossa esperança. E de nós três, talvez, o mais miserável, talvez o mais desgraçado, porque condenado à incapacidade de amar, pelo orgulho, ou à solidão, pela renúncia. Hugo não disse mais nada. E os três, agora, não ousavam levantar a cabeça, para não mostrar que estavam chorando. O garçom veio saber se queriam mais chope, ninguém o atendeu. Alguém soltou uma gargalhada no fundo do bar. Lá fora, na rua, um bonde passou com estrépito.”
5 likes
More quotes…