Macunaíma
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

Macunaíma

3.46 of 5 stars 3.46  ·  rating details  ·  944 ratings  ·  28 reviews
Mario de Andrade publicou 'Macunaíma' em 1938. Por falta de editora, a tiragem do romance foi de apenas oitocentos exemplares, mas o livro foi festejado pela crítica modernista por sua inovação narrativa e de linguagem. Macunaíma é o herói sem caráter, símbolo de um povo que não descobriu sua identidade. Uma releitura do folclore, das lendas e mitos do Brasil, escrita numa...more
Paperback, 126 pages
Published January 1st 1997 by Villa Rica (first published 1928)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.
This book is not yet featured on Listopia. Add this book to your favorite list »

Community Reviews

(showing 1-30 of 1,398)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
Carrie
Muita gente considera esse livro trabalho de um gênio; eu só considero qênio quem termina o romance sem querer socar o Mário de Andrade, quatro-olhos maldito que passou um mês deitado em uma rede para a gente depois ser obrigado a ler essa "obra de arte". Exceto como dicionário de Filologia para termos de cultura indígena, não vejo guandes méritos nessa alegoria óbvia do caraáter dos heróis de nossa gente, Macunaíma e seus irmãos Jiguê e Maanape.
Jenny Zhang
This is about penises bigger than rivers, changing skin color, witches, bitches, magical hopes, and all sorts of hijinks. What a treat.
Guilherme Martins
Quer sofrer um impacto? Achar-se constantemente sem jeito ao ler um livro? Macunaíma O Herói Sem Nenhum Caráter fornece isso. Passa de longe das outras obras cujo romance se apresenta "melhor" articulado. De forma bastante inovadora e rápida, a narração sobre a vida de Macunaíma vai sendo mostrada em diversas situações (muitas vezes humorísticas e irônicas) e, paralelamente, (des)construindo uma visão focada na formação da identidade brasileira; seja na criação de mitos, seja na criação de gíria...more
Maira
I've found Woody Woodpecker in Brazilian literature!

(view spoiler)
Julia Boechat Machado
É impossível pra mim pensar no Herói Sem Nenhum Caráter e Mário de Andrade sem pensar na Semana de Arte de 22 e no Manifesto Antropofágico do Oswald ("Só a Antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as religiões. De todos os tratados de paz. Tupi, or not tupi that is the question. Contra todas as catequeses. E contra a mãe dos Gracos. Só me interessa o que não é meu. L...more
Joao Aroucha
One of the worst books I had to read. One of the three books that I haven't finished after starting. I skipped a lot of pages in order to get to the end.

Um dos piores livros que já fui obrigado a ler na época do colégio. Pulei várias páginas para chegar ao final.
É um dos três livros que eu desisti de ler após ter começado.

Johnny Shea
Jul 26, 2007 Johnny Shea rated it 4 of 5 stars  ·  review of another edition
Recommends it for: anyone looking for something crazy
mythical, magical and wild. Brazilian moderism at its best. Anyone with a taste for the funky would feel this one. I think its out of print now - but there seem to be a lot of used copies floating around the net...
Fernanda Grabauska
Ainda um clássico do deboche a si e à pátria.
Flávia
ai... que preguiça!
Gabriela Melo
Um personagem que representa o povo brasileiro, Macunaima é um indio (eu semprei pensei que fosse mulher, até o dia em que eu li o primeiro paragrafo do livro) que nasce muito feio la na floresta. Passa pelas mais diversas (e inusitadas) situações.A todo o momento ele é chamado de herói (uma piadinha com o Romantismo), mas ele é totalmente ao contrario: mentiroso, traidor além de sempre roubar as namoradas do irmão Jiguê.
Depois da morte da mãe, Macunaima e seus irmãos, Maanape e Jiguê, decidem...more
Erwin Maack
"Não conclui mais nada porque inda não estava
acostumado com discursos porém palpitava pra
ele muito embrulhadamente muito! que a máquina
devia de ser um deus de que os homens não eram
verdadeiramente donos só porque não tinham feito
dela uma Iara explicável mas apenas uma realidade
do mundo. De toda essa embrulhada o pensamento
dele sacou bem clarinha uma luz: Os homens é que
eram máquinas e as máquinas é que eram homens.
Macunaíma deu uma grande gargalhada. Percebeu
que estava livre outra vez e teve uma...more
Luiz Filipe Tavares
Macunaíma é um atentado contra o românce indianista. Um intrincado, poético e brutal atentado contra a tradição de Gonçalves Dias e José de Alencar. Ler Macunaíma é ver alguém pintar chifres no Cristo da Última Ceia e rir-se de admiração quando o resultado final supera o original. Relê-lo foi reviver aos risos cena do Coringa de Jack Nicholson atacando de Banksy e depredando o museu de Gotham. Salve a Monalisa de bigodes!
le-trombone
Sep 14, 2009 le-trombone marked it as to-read  ·  review of another edition
The old clipping I have says "First published 60 years ago, the fabulous tale of a Brazilian folk hero, now seen as the precursor of many more elaborate novels of magical realism." I'm into precursors, so on the list it goes. Clipping is for the Quartet edition, we'll see who the respective translators are.
Fellipe Moscardini
Um livro maravilhoso. Um dos melhores que já li. Macunaíma devia ser o mascote do Brasil, o grande símbolo do ser que é um cafajeste, mas que tem seu charme. Mario de Andrade realmente faz falta, principalmente nos dias de hoje. Tem mais não.
Hugo Eduardo Azevedo Fialho


Simplesmente sensacional a forma como Mário de Andrade dispõe os elementos todos em Macunaíma - aliás, salvo essa leitura, jamais poderia dizer que a literatura de realismo fantástico, surreal, psicodélica é algo que também contemplo.
Matus Miksik
funny and clever at times, and I can also see why this book could be important for Brazil modernism, but it is not suited for 21st century reader in my opinion
Martha
Várias brasileirices,um bololô de nossa cultura bem interessante, mas um graça que não me agrada. Válido e chato. "Ai! Que prequiça!..."
Rosele Ramos
I just love this book and I just couldn't get enough of it!
Incredibly imaginative and inspiring!
Yokonita
Maravilhoso livro, mas quando começa a listar nomes da fauna e flora, fica lento...
Martina Bergstrassenbahngipfel
this book is just crazy, a fiest of the imagination and sexy!!
Renata Amorim
Típica caricatura do brasileiro! Muito bom!!
Tayna Menezes
Pura imagem do Brasil e suas fantasias!
Christina Wright
A rhapsody of Brasilian folklore
Nathalie Ursini
Simplesmente maravilhoso.
Satohlinus
Vocabulário dificílimo...
Signe White
Jan 06, 2010 Signe White is currently reading it  ·  review of another edition
It's in Portuguese!
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 46 47 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • Morte e Vida Severina
  • Sagarana
  • Vidas Secas
  • O Triste Fim de Policarpo Quaresma
  • Auto da Compadecida
  • Libertinagem / Estrela da Manhã
  • A Rosa do Povo
  • Memórias de um Sargento de Milícias
  • O Encontro Marcado
  • Rebellion in the Backlands
  • O Alienista
  • A Vida Como Ela É...
  • Lavoura Arcaica
  • O Cortiço
  • O Menino Maluquinho
  • Family Ties
  • The Two Deaths of Quincas Wateryell
292054
Mário Raul de Morais Andrade was a Brazilian poet, novelist, musicologist, art historian and critic, and photographer. One of the founders of Brazilian modernism, he virtually created modern Brazilian poetry with the publication of his Paulicéia Desvairada (Hallucinated City) in 1922. He has had an enormous influence on Brazilian literature in the 20th and 21st centuries, and as a scholar and essa...more
More about Mário de Andrade...
Amar, Verbo Intransitivo Contos Novos Paulicéia Desvairada Os contos de Belazarte Obra Imatura

Share This Book