Crónica dos Bons Malandros
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

Crónica dos Bons Malandros

3.8 of 5 stars 3.80  ·  rating details  ·  320 ratings  ·  19 reviews
A gang decides to rob the Gulbenkian Museum, tired of their petty robberies. During the book talks about the life of each element of the gang and how they met. But the assault on the museum did not go as expected ...

Uma quadrilha decide assaltar o Museu Gulbenkian, farta dos seus banais assaltos. Durante o livro fala sobre a vida de cada um dos elementos da quadrilha e com...more
Paperback, 145 pages
Published March 2005 by Quetzal Editores (first published 1980)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.
Os Maias by Eça de QueirósAuto da Barca do Inferno by Gil VicenteFelizmente Há Luar! by Luís de Sttau MonteiroA Lua de Joana by Maria Teresa Maia GonzalezFrei Luís de Sousa by Almeida Garrett
Livros Portugueses - O que já li...
177th out of 729 books — 233 voters
Memórias Póstumas de Brás Cubas by Machado de AssisBlindness by José SaramagoOs Maias by Eça de QueirósThe Lusiads by Luís Vaz de CamõesThe Book of Disquiet by Fernando Pessoa
Best Literature in Portuguese
135th out of 248 books — 207 voters


More lists with this book...

Community Reviews

(showing 1-30 of 459)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
Cat
Desde sempre que ouvi os meus pais dizerem que Crónica dos Bons Malandros era um livro divertidíssimo. Só que durante muito tempo não o pude ler, já que a minha mãe tinha emprestado o dela a alguém que nunca o devolveu. Então este ano, quando a minha mãe fez anos, arranjei forma de lhe devolver o livro às estantes: comprei-o. E agora li-o, algo que já queria fazer há muito tempo.

Apesar de ter esperado muitos anos para o ler, as expectativas não eram demasiadas. E ainda bem, porque este livro de...more
Sofia Teixeira
Imaginem uma quadrilha composta por pessoas que não são mais que os estilhaços dos seus tumultuosos passados... Este grupo tão diversificado de pessoas e personalidades decide que quer assaltar a Gulbenkian! Nem imaginam o misto de emoções que senti a ler este livro. Admito, com alguma vergonha e embaraço, que só agora me iniciei na escrita de Mário Zambujal, mas já estou completamente rendida. Só posso agradecer ao meu fisioterapeuta por me ter convencido a lê-lo!

Cada capítulo deste pequeno gra...more
Ana
Podem ler a opinião completa no blog Floresta de Livros


Este foi um livro divertido, que me fez boa companhia nos poucos minutos que conseguia roubar para ler. Ri-me várias vezes, especialmente na parte final. E por falar no final, achei-o muito bom e algo inesperado, ou pelo menos foi uma boa jogada do autor.
Mas, no geral, não fiquei encantada com este livro. Não foi uma leitura que me marcasse, nem sequer foi tão satisfatória como esperava.
Percebo porque é tão conhecido, mas podia ter algo mais...more
Ângelo

Um líder mais meia dúzia de infortunadas vidas que se irão entrelaçar cumprem o desígnio deste livro.
Renato (o pacifico) é o líder desta quadrilha de malandros composta por:
Pedro (o justiceiro), um fugitivo por ter um desentendimento com a sua professora, encaixilhou-lhe um quadro na cabeça, os colegas apelidaram-no de justiceiro e assim ficou. Pedro após este incidente foge para a capital onde passado algum tempo está a trabalhar para um “repara tudo” especializando-se assim em fechaduras...
Flá...more
Rui Alex
Foi-me dito que seria um livro divertido e li com essa expectativa. Mas, como não tenho sentido de humor quanto isso, não devia ter esperado por algums momentos de risada pois acabaram por não acontecer (excepto com algumas expressões usadas pelo autor).
Fica aqui a nota pessoal para mais tarde, ao revisitar esta biblioteca digital, voltar a ler o livro com outro estado de espírito.

Mas devo apontar que gostei da estrutura do livro. Foram narrados os passados de cada uma das personagens e cada um...more
Edite
" Foi depois de todo este mau passadio que, uma noite, no Bar do Japonês, clube dos proscritos, finamente rasca, gravata de seda e cuspidela no chão, prostitutas, chulos e homossexuais, negócios de candonga, droga, sexo e artigo abafado, segredos de amor e juras de morte, apalpões e navalhadas, marujos de todos os mares esmifrados com meiguiçe ou á má fila- foi num sítio assim, o Bar do Japonês,que numa noite errante e sem fé Pedro conheçeu Renato."

A história de uma quadrilha seleccionada : Marl...more
Andreia Silva
Tínhamos decidido, no clube de leitura, que o próximo livro tinha de ser algo leve porque andavamos numa onda de escolher livros melancólicos. Alguém sugeriu que Mário Zambujal seria uma escolha perfeita e além disso é um autor português!

De facto, este "Crónica dos Bons Malandros" é um livro descontraído de leitura rápida e com um humor deveras pertinente. Estes bons malandros são, a meu ver, tipicamente portugueses, mas que no fundo são até boas pessoas. O livro não tem muito que se lhe diga em...more
Joana Marta
Descobri que este autor não é para mim.. Este foi o segundo livro que iniciei após ter tentado um outro e que tive de deixar a meio.
Tenho de dizer que o desenlace final me deixou algo boquiaberta, não esperava de todo que tivesse este final, não foi portanto, de todo previsível. O meu problema com este livro foi a escrita do autor, que infelizmente não aprecio, o que tornou a leitura algo penosa.
A estrutura estava engraçada, começar por descrever cada um dos malandros, dando-lhes personalidade...more
Marisa Martins
Renato, Flávio, Marlene, Pedro, Silvino, Adelaide e Arnaldo são sete malandros que o destino fez questão de unir, em diferentes alturas de suas vidas, depois de terem sofrido algum tipo de rasteira do destino. Sempre a seguir a máxima de nunca usarem armas, os sete levam a vida a cometer "pequenos" delitos, dos quais conseguem sempre desenvencilhar-se com muita destreza, e que não lhes causam problemas a elaborar e/ou executar.
A fasquia sobre quando um italiano chega com uma proposta capaz de re...more
Sara
O meu primeiro Livro de Mário Zambujal muito alegre e divertido. Conta a história de uma quadrilha que planeia o Grande assalto das suas vidas, que lhes vai permitir a reforma antecipada. Esta quadrilha composta por um Justiceiro, um larapio complusivo, uma magricela, um ex-boxeur figurante, um quase doutor e claro o chefe da mesma e a namorada, quase todos acidentalmente "escorregaram" para a vida do crime.
Bruno Espadana
Uma crónica perfeita da malandragem de Lisboa no início dos anos 80, com personagens inesquecíveis e um sentido de humor perfeito (e malandro). Um clássico que, trinta anos depois, continua com uma frescura irresistível.
Martim Neto mariano
Absolutamente deliciosa a escrita de Mário Zambujal!! A vivacidade é aterradora! Notável!
Babete
Uma escrita simples, uma história à portuguesa, recomendo!
Mafalda Torrão
Adorei! Aliás como todos os livros de Mário Zambujal!
Bruno Valente
Um clássico !!!
John
John marked it as to-read
Jul 08, 2014
Vânia Oliveira
Vânia Oliveira marked it as to-read
Jul 07, 2014
Vânia
Vânia added it
Jul 06, 2014
Fernando
Fernando marked it as to-read
Jun 29, 2014
Daniel
Daniel marked it as to-read
Jun 18, 2014
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 15 16 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • Os Livros que Devoraram o Meu Pai
  • De Profundis, Valsa Lenta
  • The Relic
  • Memoria de elefante
  • Equador
  • Bichos
  • A Confissão de Lúcio
  • Manhã Submersa
  • Hunting Midnight (The Sephardic Cycle, #2)
  • A Queda dum Anjo
  • Cão Como Nós
  • Sonetos
  • The Implacable Order of Things
  • Mundo del fin del mundo
  • O Cavaleiro da Dinamarca
  • Uma Viagem à India
1418010
Jornalista e escritor português, nascido em 1936, trabalhou na televisão e em jornais como A Bola, Diário de Lisboa e Diário de Notícias, em especial na área do desporto. Publicou três livros de ficção: Crónica dos Bons Malandros, em 1980, que teve grande sucesso e deu origem a uma longa-metragem de Fernando Lopes; Histórias do Fim da Rua, em 1983; e À Noite Logo se Vê, em 1986.

Fonte: http://www....more
More about Mário Zambujal...
Histórias do Fim da Rua Dama de Espadas Primeiro as Senhoras Cafuné Já não se escrevem cartas de amor

Share This Book