Goodreads helps you keep track of books you want to read.
Start by marking “Granta Portugal 4: África” as Want to Read:
Granta Portugal 4: África
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating
Open Preview

Granta Portugal 4: África

3.76  ·  Rating Details ·  33 Ratings  ·  6 Reviews
Neste número da Granta não se pretende de modo algum retratar África. O que aqui se apresenta são partes de África. Pelo confronto entre os textos traduzidos da Granta de língua inglesa com os inéditos de autores de língua portuguesa escritos para esta edição é possível perceber de um modo muito agudo quão diverso é um continente tantas vezes tratado como entidade ...more
Paperback, 352 pages
Published October 2014 by Tinta da China
More Details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.

Reader Q&A

To ask other readers questions about Granta Portugal 4, please sign up.

Be the first to ask a question about Granta Portugal 4

This book is not yet featured on Listopia. Add this book to your favorite list »

Community Reviews

(showing 1-30)
filter  |  sort: default (?)  |  Rating Details
Ana
Sep 30, 2015 Ana added it
Demorei nove meses a ler isto porque a biblioteca não deixa levar revistas para casa, mesmo as literárias com mais de trezentas páginas, por isso fui lendo, às mijinhas, e nos meses de julho e agosto não li nada porque o horário de verão é uma treta e não consegui pôr lá os pés. Enfim, demorou mas valeu a pena. O que mais gostei: Mia Couto a solo e a trocar cartas com Agualusa - foram os primeiros que li e os que preferi; as ilustrações de Alain Corbel, que já conhecia dos livros infantis; a ...more
Miguel
Nov 16, 2014 Miguel rated it it was amazing
O número 4 da edição portuguesa da Granta é dedicado ao tema África. Gostei muito dos textos lusófonos, ou pelo menos de quase todos; dos que já conhecia, como Agualusa, Mia Couto (em dose dupla, texto e cartas), Luís Carlos Patraquim, Ruy Duarte de Carvalho (com textos e fotos, nomeadamente a da capa), António Cabrita (um itinerário moçambicano imperdível), José Tolentino Mendonça e Lídia Jorge, e do de Sousa Jamba, que nunca tinha lido mas fiquei com vontade de ler mais. De fora ficam os ...more
Margarida
Dec 20, 2014 Margarida rated it it was amazing
Excelentes algumas das histórias deste 4.º volume da Granta Pt. Conheci grandes autores, reli outros dos meus favoritos, mas confesso que ainda não entranhei na história da 'Laura', da Hélia Correia. Foi lida na diagonal. E, apesar das loas por esse mundo fora, não é uma das minhas preferidas a história da Taiye Selasi.
Os escritores de que gostei mais são Teju Cole, Martin Kimani, Chimamanda Ngozi Adichie, Mia Couto, Aminatta Forna, Sandro William Junqueira, Binyavanga Wainaina e José Tolentino
...more
Luís Paz da silva
Sep 08, 2016 Luís Paz da silva rated it really liked it
Este Verão pus-me a aviar números atrasados da Granta, sendo este o primeiro.
Sendo esta uma revista de descoberta, este número valeu, para mim, pelo primeiro contacto com a admirável Taiye Selasi de quem entretanto adquiri "A Beleza das Coisas Frágeis", a aguardar leitura.
Mais duas menções: o texto de Chimamanda Ngozi Adichie, retirado do livro "Meio Sol Amarelo" é excelente. Já estou no encalço do livro.
A outra, a confirmação do quanto gosto de Hélia Correia e de Bruce Chatwin.
A não perder.
Opheliac
Decidi ler este volume da Granta por causa de alguns autores que já gostava (Mia Couto, Agualusa, Sousa Jamba, Nadine Gordimer) e por curiosidade em relação a mais alguns autores incluídos no volume. Tirando os habitualmente desinteressantes contos de autores como Lídia Jorge e Hélia Correia, foi um volume que valeu a pena comprar e ler, até para me decidir em relação à compra de livros de alguns dos autores incluídos. Tenho é pena em relação às ilustrações apresentadas, que são extremamente ...more
Maria
Maria rated it liked it
Nov 13, 2016
Tiago Diogo
Tiago Diogo rated it really liked it
Jul 18, 2016
Ricardo Mendes
Ricardo Mendes rated it liked it
Nov 20, 2014
Zé Fernandes
Zé Fernandes rated it really liked it
Mar 16, 2015
Fernando
Fernando rated it really liked it
Jul 19, 2016
Maria
Maria rated it liked it
Nov 01, 2016
Micael Rodrigues
Micael Rodrigues rated it really liked it
Oct 14, 2016
Rute
Rute rated it liked it
Oct 24, 2014
Francisco
Francisco rated it it was amazing
Jul 19, 2015
João Lopes
João Lopes rated it it was ok
Jan 25, 2016
João Agostinho
João Agostinho rated it really liked it
Mar 13, 2016
Jorge Rocha
Jorge Rocha rated it really liked it
Jan 18, 2016
Manuela
Manuela rated it really liked it
Nov 02, 2014
Catarina
Catarina rated it really liked it
Jul 07, 2015
Paula Catao
Paula Catao rated it really liked it
Apr 12, 2015
S
S rated it really liked it
Feb 22, 2015
Sónia  Teixeira
Oct 28, 2014 Sónia Teixeira rated it it was amazing
É a Granta =)
Sofia Madalena
Sofia Madalena rated it liked it
Apr 28, 2015
Maria
Maria rated it liked it
Nov 24, 2014
Hugo Pereira
Hugo Pereira rated it really liked it
Feb 10, 2015
Vincent Arnheim
Vincent Arnheim rated it really liked it
Sep 06, 2016
Companhia Ilhas
Companhia Ilhas rated it really liked it
Mar 19, 2015
Alexis Ahotep
Alexis Ahotep rated it liked it
Feb 02, 2015
Rafaela Araújo
Rafaela Araújo rated it it was amazing
Sep 21, 2015
Raul Macedo
Raul Macedo rated it did not like it
Aug 23, 2016
« previous 1 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
4419503
"Carlos Vaz Marques nasceu em Lisboa a 28 de Janeiro de 1964.
Jornalista profissional desde 1987, integra a redacção da TSF desde 1990. Iniciou-se no jornalismo na redacção do JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias, tendo passado também pela redacção do (já desaparecido) semanário O Jornal.
Frequentou o curso de Línguas e Literaturas Modernas - variante Português/Francês, na Faculdade de Ciências Soc
...more
More about Carlos Vaz Marques...

Share This Book



“Mas os povos são como as borboletas e, até por defesa identitária, entregam-se à camuflagem, ao mito, em vez de , racionalmente, cultivarem em primeiro lugar as suas perícias. Ilusões que se pagam sempre caro porque haverá sempre andorinhas que as topam.
(...)
Talvez vivamos no melhor dos mundos possíveis.
O mundo, sabe-se, não tem pressa.”
1 likes
“Gente que anda descalça. Que calça a terra que pisa.
(...)
Embora admita que, de algum modo, esta orfandade de pertença desenhou nele uma tatuagem cardíaca.
(...)
é o que acontece quando fazemos turismo; baixamos a guarda.
(...)
A cidade é um mar que nos pode engolir a qualquer momento, um monstro que nos pode golpear sem aviso, um inferno de variáveis incertezas.
(...)
Se a velhice me ensinou algo, é isto: a consciência plena dos desperdícios em favor das nossas próprias tolices.”
1 likes
More quotes…