Navegações e Regressos
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

Navegações e Regressos

3.5 of 5 stars 3.50  ·  rating details  ·  18 ratings  ·  3 reviews
“Navegações e Regressos” pertence àquela safra em que o poeta, consagrado e feliz, se mostra tão aberto a explorar o mundo (as “navegações”) como a voltar-se para si mesmo (os “regressos”). “Venho do mar, de todos os idiomas”, escreve ele. “Recolhi pensamentos, pedras, flores.” Um cheiro forte de mar parece se desprender das páginas do livro. Pablo Neruda escreve poemas pa...more
Hardcover, Coleção Literatura Ibero-Americana, 200 pages
Published June 2012 by Folha (first published 1959)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.

Reader Q&A

To ask other readers questions about Navegações e Regressos, please sign up.

Be the first to ask a question about Navegações e Regressos

This book is not yet featured on Listopia. Add this book to your favorite list »

Community Reviews

(showing 1-30 of 38)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
David
How can you not love a book that contains the magnificent "Oda a las papas fritas"?

http://www.enmitg.com/izquierdo/didac...

This is just one of the joys to be found in this book, which also contains neruda's odes: al ancla (to the anchor), al caballo (to the horse), a la cama (to the bed), a las cosas (to things), a las cosas rotas (to broken things), al elefante, al gato, a la gran muralla en la niebla (to the great wall in the fog), a la guitarra, a Lenin, a una manana del Brasil, a una manana...more
Adriana
Ode às Coisas Quebradas

Vão se quebrando as coisas
na casa
como se empurradas poe um invisível
quebrador voluntário;
não são as mãos minhas,
nem as tuas,
não foram as criadas
de unha dura
e passos de planeta;
não foi nada nem ninguém,
não foi o vento,
não o alaranjado do meio-dia
nem a noite terrestre,
não foi o nariz nem o cotovelo,
a anca crescente,
o tornozelo
nem o ar:
quebrou-se o pranto, caiu o abajur,
tombaram todos os vasos
um por um, aquele
em pleno outubro
cheio de miosótis,
fatigado por todas violet
...more
Raúl Aníbal
En realidad otro libro de odas. Especialmente interesante me parece la Oda a Lenin, propaganducha de primera clase. Ya quisieramos que toda la propaganda politica fuera así (claro, no deja de ser propaganda)
Valdir
Valdir is currently reading it
Aug 24, 2014
Kyanja
Kyanja marked it as to-read
Aug 29, 2014
Brunna
Brunna marked it as to-read
Jun 29, 2014
Daniel
Daniel marked it as to-read
Jun 26, 2014
Adalberto Cesari
Adalberto Cesari marked it as to-read
Jun 09, 2014
Fabricio Oliveira
Fabricio Oliveira is currently reading it
May 19, 2014
Leila Toriyama
Leila Toriyama marked it as to-read
Apr 09, 2014
Tasneem
Tasneem marked it as to-read
Feb 27, 2014
Lua Limaverde
Lua Limaverde marked it as to-read
Nov 16, 2013
Bogdan Liviu
Bogdan Liviu marked it as to-read
Oct 15, 2013
José
José added it
Sep 16, 2013
Fernanda
Fernanda marked it as to-read
Sep 08, 2013
Ingrid
Ingrid added it
May 05, 2013
Meagan
Meagan marked it as to-read
Dec 14, 2012
Marília Dias
Marília Dias marked it as to-read
Dec 11, 2012
« previous 1 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
4026
Pablo Neruda was the pen name and, later, legal name of the Chilean writer and politician Neftalí Ricardo Reyes Basoalto. Neruda assumed his pen name as a teenager, partly because it was in vogue, partly to hide his poetry from his father, a rigid man who wanted his son to have a "practical" occupation. Neruda's pen name was derived from Czech writer and poet Jan Neruda; Pablo is thought to be fro...more
More about Pablo Neruda...
Twenty Love Poems and a Song of Despair The Poetry of Pablo Neruda 100 Love Sonnets The Essential Neruda: Selected Poems The Captain's Verses (Los versos del capitan) (English and Spanish Edition)

Share This Book

“Os animais foram
imperfeitos,
compridos de rabo, tristes
de cabeça.
Pouco a pouco foram se
compondo,
fazendo-se paisagem,
adquirindo manchas, graça, voo.
O gato
só gato
apareceu completo
e orgulhoso
nasceu completamente terminado,
caminha sozinho e sabe o que quer.

O homem quer ser peixe e pássaro,
a serpente queria ter asas,
o cachorro é um leão desorientado,
o engenheiro quer ser poeta,
a mosca estuda para ser andorinha,
o poeta tenta imitar a mosca,
mas o gato só quer ser gato
e todo gato é gato
do bigode até o rabo,
do pressentimento ao rato vivo,
da noite até seus olhos de ouro.

Não existe unidade
como ele,
nem têm a lua nem a flor
tal contextura:
é uma coisa só
como o sol ou o topázio,
e a elástica linhade seu contorno
firme e sutil é como
a linha da proa de uma nave.
Seus olhos amarelos
deixaram uma só
ranhura
para pôr as moedas da noite.

Ó pequeno imperador sem orbe,
conquistador sem pátria,
mínimo tigre de salão, nupcial
sultão do céu
das telhas eróticas,
o vento do amor
na intempérie
reclamas
quando passas
e pousas
quatro pés delicados
no solo,
farejando,
desconfiado
de tudo que é terrestre,
porque tudo
é imundo
para o imaculado pé do gato.

Ó fera independente
da casa, arrogante
vestígio da noite,
preguiçoso,
ginástico,
e alheio,
profundíssimo gato,
polícia secreta
das moradas,
talvez não sejas mistério,
todo mundo sabe-te e pertences
ao habitante menos misterioso,
talvez todos o creiam,
todos se creiam donos,
proprietários, tios
de gatos, companheiros,
colegas,
discípulos ou amigos
de seu gato.

Eu não.
Eu não concordo.
Eu não conheço o gato.
Tudo sei, a vida e seu arquipélago,
o mar e a cidade incalculável,
a botânica,
o gineceu com seus extravios,
o mais e o menos da matemática,
os funis vilcânicos do mundo,
a casca irreal do crocodilo,
a bondade ignorada do bombeiro, o atavismo azul do sacerdote,
mas não posso decifrar um gato.
Minha razão resvalou em sua indiferença,
seus olhos têm números de ouro.”
1 likes
More quotes…