A Ilustre Casa de Ramires (Colecção Biblioteca Ulisseia e Autores Portugueses #9)
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

A Ilustre Casa de Ramires (Colecção Biblioteca Ulisseia e Autores Portugueses #9)

by
3.81 of 5 stars 3.81  ·  rating details  ·  426 ratings  ·  14 reviews
Nesta obra, Eça conta a história de Gonçalo Mendes Ramires, nas suas relações familiares, no seu convívio social, nos seus entusiasmos e nas suas inexplicáveis reacções.
O romance desenrola-se em dois planos que caminham paralelamente. Num, feito de idealismo, projecta-se o tradicionalismo romântico: romance histórico; no outro, com o sentido do realista, perpassa a vida co...more
Paperback, 335 pages
Published 2006 by Ulisseia (first published 1900)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.
This book is not yet featured on Listopia. Add this book to your favorite list »

Community Reviews

(showing 1-30 of 717)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
Virgilio Machado
A Ilustre Casa de Ramires é um romance de clara dicção realista no qual Eça de Queirós tenta sintetizar na figura de Gonçalo as fraquezas e as grandezas de Portugal, fazendo de seu destino pessoal uma “alegoria” daquilo que lhe parecia ser a única saída possível para os impasses e contradições de um país outrora tão poderoso (Idade Média e Renascimento), e hoje (final do século XIX) tão decaído. Na trajetória pessoal de Gonçalo nós encontramos uma interpretação corajosa da alma portuguesa contem...more
Fernando Ferreira
Magnífico. Eça de Queirós, em "A Ilustre Casa de Ramires", faz um delicioso retrato do Portugal novecentista, decadente e submisso, ao descrever a vida, os sonhos, desejos e frustrações do último herdeiro - Gonçalo Mendes Ramires - duma das mais antigas, senão a mais antiga, Casas do Reíno - a Casa dos Ramires.
Eça desenvolve a narrativa tomando como mote, como fio condutor, o processo de amadurecimento do Fidalgo da Torre que, de jovem vaidoso, fútil, covarde e tremendamente inconstante nas suas...more
Tiago
Com alguma experiência em leituras de Eça, confesso que este não foi um dos livros mais entusiasmantes... A caricatura de "D." Mendes Ramires é exagerada, demasiado paradoxal... o que tira alguma coerência ao romance, ainda que Eça a tente justificar. Apesar de muitos pontos comuns com as diversas obras (paralelismo entre casa Nobre e Portugal, o jovem arrivista/ambicioso, o conflito rural/cidade...), esta tem um caráter original no retrato da Nobreza arruinada de Bragança, na reflexão sobre os...more
Patricia Rodrigues
Gonçalo Mendes Ramires é o Fidalgo da Torre, um jovem herdeiro de uma família nobre e antiga, os Ramires e é a personagem principal deste livro.
A história é desenvolvida em dois momentos. Um que se foca na vida de Gonçalo e nas suas aspirações e outro na história que este está a escrever, em que relata a história da família Ramires. Gonçalo provou-me alguns sentimentos contraditórios, pois é um jovem algo fútil, covarde e com uma imaginação fértil (aka mentiras) mas ao mesmo tempo uma pessoa na...more
Kelle
Gonçalo Mendes Ramires, o Fidalgo da Torre, é a figura central desta história, descendente de uma família muito antiga, nobre, com grandes posses e nome na sociedade da altura. Nesta obra é-nos relatada toda a história familiar dos Ramires, num romance histórico a par com a descrição contemporânea da vida na província. A bisbilhotice, mesquinhez e intrigas da vida provinciana estão bem patentes em cada parágrafo da descrição da vida na aldeia, o que se torna num ponto comum com outras obras de E...more
Inês Montenegro
O início desta obra começou por me desiludir um pouco – uma Casa de renome (acompanhada por uma pormenorizada descrição do espaço físico da mesma), um drama familiar romântico que se encontra no passado mas com indícios de ainda não estar terminado, um jantar onde o protagonista discute política… Temi ter uma repetição d’ “Os Maias”.
Felizmente, os meus receios desvaneceram-se – “A Ilustre Casa de Ramires” não é a reprodução da tão conhecida obra do autor. Trata-se de um romance independente, ond...more
Gabriela Melo
Gonçalo Mendes Ramirez, o Fidalgo da Torre, pertence a uma importante e antiga familia de Portugal. A familia Ramirez tem em seu historico grandes feitos. Durante seus anos de faculdade em Coimbra, José Castanheiro pede que escreva "um conto pequeno... umas vinte ou trinta paginas" sobre a casa de Ramirez para sua revista Anais de Literatura e Historia. As passagens onde Gonçalo escreve a historia de seu avô Tructesindo Ramirez aparecem durante todo o livro.
Graça Ramirez, irmã de Gonçalo, durant...more
Gláucia Renata
Esse livro tem uma narrativa um pouco diferente dos outros que li do autor mas é possível reconhecer seu estilo através dos personagens criados, um pouco semelhantes aos encontrados nos outros romances.
Gonçalo é um fidalgo num mundo onde não existe mais fidalguia que tenta a todo custo ascender de sua decadência. Acredita conseguir isso através da narração dos feitos heroicos de um ancestral. Leitura um pouco monótona.
António Ferreira
Eça de Queirós era um brilhante observador e um atento critico e caricaturista da sociedade portuguesa. Este livro mostra de forma bem clara essa veia, tanto mais que o final é explícito e confirma as desconfianças que nos vai suscitando com o desenrolar da trama. Mostra-nos também a sua riqueza literária, só um grande escritor consegue ter esta capacidade, acabei de ler e senti que aprendi muito com esta leitura. O primeiro capítulo custou-me muito, assim como a história secundária que se desen...more
Gustavo Marques
Eça de Queirós como é incapaz de examinar em profundidade a dialéctica das crises históricas, coloca-se ao serviço de uma caricatura idílica e heróica das tradições da nobreza e evoca a solução colonialista para a reconstrução de Portugal. A Ilustre Casa de Ramires é, pois, a expressão intelectual de uma solução impotente de fuga.
Danielroffle
Ok, o romance histórico dentro do livro é um pouco chato, e a mensagem anti-citadina mais confusa do que n'"A Cidade E As Serras" (talvez também seja essa uma das razões porque o prefiro), mas há algo de glorioso, triste mas solarengo nesta obra tardia do velho Eça. Não curtes, faz melhor.
Mauro
Segundo a notinha na contra-capa, eu havia lido este livro em 2002. É impressionante como ele melhorou, de lá para cá.

julieta
Tuve que dejarlo. Y aunque no pierdo la fe en que encontraré otros libros de Eca que me encanten, este fue demasiado para mi. Me pareció tieso y artificioso. Quizás en otro momento.
Bruna Abrantes de Almeida
Tenho orgulho que li este livro! O 'Ramires' é um meu herói!
Paulo Talhadas
Paulo Talhadas is currently reading it
Jul 28, 2014
Almeida3
Almeida3 marked it as to-read
Jul 19, 2014
Tiago
Tiago marked it as to-read
Jul 18, 2014
Tiago Pires
Tiago Pires marked it as to-read
Jul 16, 2014
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 23 24 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • A Queda dum Anjo
  • Eurico, o Presbítero
  • A Morgadinha dos Canaviais
  • Bichos
  • Mensagem - Poemas esotéricos
  • A Confissão de Lúcio
  • Viagens Na Minha Terra (Classicos da Literatura Portuguesa)
  • Balada da Praia dos Cães
  • Rio das Flores
  • Sonetos
  • O Filho de Mil Homens
  • Manhã Submersa
  • A Sibila
  • The Lusiads
  • Rosa, Minha Irmã Rosa
  • Auto da Barca do Inferno
  • Sermão do Santo António aos Peixes
  • Histórias da Terra e do Mar
6913270
Novelist committed to social reform who introduced Naturalism and Realism to Portugal. He is often considered to be the greatest Portuguese novelist, certainly the leading 19th-century Portuguese novelist whose fame was international. The son of a prominent magistrate, Eça de Queiroz spent his early years with relatives and was sent to boarding school at the age of five. After receiving his degree...more
More about Eça de Queirós...
Os Maias O Primo Basílio A cidade e as serras The Crime of Father Amaro Contos

Share This Book

“Com cuidado, o Bento desenrolara o frasco, estendendo sobre o mármore da cómoda o pergaminho duro, onde a letra do século XVI se encarquilhava amarela e morta. E Gonçalo, abotoando o colarinho:
- Ora aí está o que eu levo preciosamente, para deslindar o foro de Praga! Um pergaminho do tempo de D. Sebastião... E só percebo mesmo a data, mil quatrocentos... Não, mil quinhentos e setenta e sete. Nas vésperas da jornada de África... Enfim, serviu para embrulhar o frasco.”
2 likes
More quotes…