Goodreads helps you keep track of books you want to read.
Start by marking “A Morgadinha dos Canaviais” as Want to Read:
A Morgadinha dos Canaviais
Enlarge cover
Rate this book
Clear rating

A Morgadinha dos Canaviais

3.76 of 5 stars 3.76  ·  rating details  ·  477 ratings  ·  12 reviews
Romance publicado em 1868, por muitos considerado o expoente maximo de Julio Dinis...
Contendo neste terceiro Romance uma componente critica social, que visa o fanatismo religioso e o clericalismo hipocrita...
Contornando barreiras sociais as mulheres de Julio Dinis sao fortes e vao alem dos conceitos sociais para procurarem o amor...
Paperback, 324 pages
Published 1973 by Publicações Europa-América (first published 1868)
more details... edit details

Friend Reviews

To see what your friends thought of this book, please sign up.

Reader Q&A

To ask other readers questions about A Morgadinha dos Canaviais, please sign up.

Be the first to ask a question about A Morgadinha dos Canaviais

This book is not yet featured on Listopia. Add this book to your favorite list »

Community Reviews

(showing 1-30 of 772)
filter  |  sort: default (?)  |  rating details
Virgilio Machado
Júlio Dinis, revelou-se aos nossos olhos com esta obra, como um prodigioso escritor. Como uma escolha de palavras apurada, com descrições minuciosas e cativantes, com uma estória bem arrumada e interessante, A Morgadinha dos Canaviais, tornou-se numa obra de referência na nossa biblioteca.
Face ao exposto, não podemos deixar de aconselhar muito a leitura deste livro. Apesar do tamanho, é uma obra que se lê com entusiasmo e satisfação e um excelente exemplo do nível elevado da literatura portugues
...more
Tempo de Ler
Henrique de Souzellas é exactamente do tipo que eu gosto de adjectivar livremente de choninhas!

Hipocondríaco e convencido que desta vez o episódio será fatal, Henrique troca uma vida folgada na capital por uma bem mais modesta, numa remota aldeia minhota. O seu debate contra a vida do campo, comparando-a sempre injustamente com a civilização urbana, persegue-o quase até à conclusão do livro. Não fosse desenvolver um outro tipo de «interesse» e, provavelmente, Henrique nunca se reconciliaria com
...more
Filipa
O que fazer quando uma pessoa aproveita todas as hipóteses disponíveis que tem para nos incitar a ler este livro?
Bem, eu a quem me deparei nesta indecisão decidi dar o benefício da dúvida a este livro.
Não foi a primeira obra que li do autor, mas posso dizer que foi a que mais gostei.
Não me arrependo de ter lido este livro.
Florbela
AH! Tão bom! Era mesmo disto que eu estava a precisar :)
Luís Macedo
Recorda-nos como há palavras, perfis, estereótipos, preconceitos, costumes e geografias que mais de 100 anos volvidos não deixam de representar de forma tão cómica e terrificamente icónica e familiar o ser português na província... do Minho.
Mady
Re-reading this after 20 years means that I remembered absolutely nothing about this novel, other than the fact that I share my name with the main character's :P

This is a Portuguese classic from 19th century, written in 1868 in what I consider the Portuguese romanticism style.
As it seems to be the case with all Portuguese classics, this novel starts with a long (and almost too boring) description of the final miles of a trip from the capital city to a distant small village (which took about 2 d
...more
Filipe Arede
A Morgadinha dos Canaviais é uma magnífica obra novecentista do escritor português Júlio Dinis que versa, sob a forma de romance, sobre a vida campestre portuguesa em meados de oitocentos.
Júlio Dinis, através de uma técnica literária bastante aprofundada, ao bom estilo da época, escreve um romance, em muitas partes, satírico, sobre a realidade da vida do campo, através do recurso a personagens tipo, de forma a retractar o mais fielmente possível uma realidade verdadeiramente fantástica.
A estória
...more
Mariana
This review has been hidden because it contains spoilers. To view it, click here.
Pedro
Apr 10, 2009 Pedro marked it as to-read  ·  review of another edition
Júlio Dinis é um dos meus escritores preferidos. Este livro aguarda na estante, mas não será para sempre, obviamente quero voltar a ler alguma coisa deste autor que tão bem me apaixona!
Pequete
Li-o há muito tempo, apenas me lembro de me ter assustado com o tamanho do livro (tinha na altura uns 15 anos), mas no final ter achado que tinha valido a pena.
Barbara
:) deliciously naive
Cláudia Costa
Cláudia Costa marked it as to-read
Dec 21, 2014
Claudia
Claudia marked it as to-read
Dec 21, 2014
Carolina Sousa
Carolina Sousa marked it as to-read
Dec 21, 2014
Bee
Bee added it
Dec 19, 2014
Carla Moreira
Carla Moreira marked it as to-read
Dec 08, 2014
Diana
Diana added it
Dec 04, 2014
syrin
syrin is currently reading it
Nov 30, 2014
Paula Branco
Paula Branco marked it as to-read
Nov 28, 2014
Linus Vieira
Linus Vieira marked it as to-read
Nov 22, 2014
« previous 1 3 4 5 6 7 8 9 25 26 next »
There are no discussion topics on this book yet. Be the first to start one »
  • A Queda dum Anjo
  • A Ilustre Casa de Ramires
  • Eurico, o Presbítero
  • Bichos
  • Manhã Submersa
  • Mau Tempo No Canal (Biblioteca De Autores Portugueses, Obras Completas de Vitorino Nemésio, vol. VIII)
  • Sinais de Fogo (Colecção Mil Folhas, #48)
  • Era Bom Que Trocássemos Umas Ideias Sobre O Assunto
  • Sonetos
  • O Cavaleiro da Dinamarca
  • Sermão de Santo António aos Peixes
  • Sonetos de Camões
1019403
JÚLIO DINIS, pseudónimo de Joaquim Guilherme Gomes Coelho, nasceu no Porto a 14 de Novembro de 1839. Tirou o curso de Medicina na Escola Médica do Porto, aliando a profissão de médico à de escritor. Os seus primeiros textos foram publicados em A Grinalda e em O Jornal do Comércio. As suas principais obras, todas assinadas como Júlio Dinis, são: As Pupilas do Senhor Reitor (1867), A Morgadinha dos ...more
More about Júlio Dinis...
As Pupilas do Senhor Reitor Uma Família Inglesa Os Fidalgos da Casa Mourisca Serões da Província O Espólio do Senhor Cipriano

Share This Book

“O perfume da saudade é como o de certas flores, que só se percebe quando de longe o recebemos. Se, iludidos, as tentamos aspirar de perto, dissipa-se.” 8 likes
“Ia apostar que vai ali uma inteligência - disse Henrique (...) - algum desses grandes espíritos, que vivem e morrem ignorados, porque os não aquece o sol do favor público, nem os bafeja a aura da moda caprichosa. É terra de maravilhas, esta, ao que estou vendo.” 2 likes
More quotes…