Bernard-Marie Koltès





Bernard-Marie Koltès


Born
in Metz, France
April 09, 1948

Died
April 15, 1989

Genre


Average rating: 3.75 · 698 ratings · 45 reviews · 22 distinct works · Similar authors
Dans la solitude des champs...

3.76 avg rating — 221 ratings — published 1986 — 10 editions
Rate this book
Clear rating
Roberto Zucco

3.82 avg rating — 175 ratings — published 1990 — 11 editions
Rate this book
Clear rating
La nuit juste avant les forêts

3.79 avg rating — 94 ratings — published 1977 — 7 editions
Rate this book
Clear rating
Combat de nègre et de chiens

3.88 avg rating — 56 ratings — published 1979 — 4 editions
Rate this book
Clear rating
Quai Ouest

3.64 avg rating — 36 ratings — published 1985 — 5 editions
Rate this book
Clear rating
Plays 2: Sallinger / Night ...

by
4.13 avg rating — 15 ratings — published 2004
Rate this book
Clear rating
Le Retour Au Désert

3.91 avg rating — 22 ratings — published 1988 — 3 editions
Rate this book
Clear rating
Plays 1: Black Battles With...

3.71 avg rating — 14 ratings — published 1997
Rate this book
Clear rating
Le Retour Au Désert:  Suivi...

3.47 avg rating — 15 ratings — published 2006 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
Sallinger

3.60 avg rating — 15 ratings — published 1995 — 2 editions
Rate this book
Clear rating
More books by Bernard-Marie Koltès…
“Porque, não importa o que diga, a linha sobre a qual caminhava, de recta que talvez fosse, tinha passado a curva desde que me viu, e eu apercebi-me do momento exacto em que me viu pelo momento exacto em que o seu caminho se tornou curvo, e não uma curva que o afastasse de mim, mas uma curva para vir ter comigo, senão nunca nos teríamos encontrado, mas teria antes afastado ainda mais de mim, porque você estava à andar à velocidade de alguém que caminha de um ponto para outro; e eu nunca o teria apanhado porque eu só caminho lentamente, calmamente, quase imóvel, com o passo de alguém que não vai de um ponto para o outro mas que, num lugar imutável, espreita quem passa à sua frente e espera que modifique ligeiramente o seu percurso. E se eu digo que fez uma curva, e como sem dúvida há-de dizer que era um desvio para me evitar, ao que eu afirmarei, em resposta, que foi um movimento para se aproximar, sem dúvida que isso é assim porque no fim de contas você não se desviou, que qualquer linha recta só existe em relação a um plano, que nós nos movemos segundo dois planos distintos, e que no fim de contas só existe o facto que você olhou para mim e que eu interceptei esse olhar ou o inverso, e que, à partida, de absoluta que era, a linha segundo a qual você se movia tornou-se relativa e complexa, nem recta nem curva, mas fatal.”
Bernard-Marie Koltès, Dans la solitude des champs de coton