Augusto dos Anjos





Augusto dos Anjos


Born
in Cruz do Espírito Santo, Paraíba, Brazil
April 20, 1884

Died
November 12, 1914

Genre


Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos was a Brazilian poet and professor. His poems speak mostly of sickness and death, and are considered to forerun the Modernism in Brazil.

Average rating: 4.27 · 470 ratings · 8 reviews · 11 distinct works · Similar authors
Eu e Outras poesias

4.30 avg rating — 371 ratings — published 1912 — 14 editions
Rate this book
Clear rating
Augusto dos Anjos: Obra Com...

4.68 avg rating — 28 ratings — published 2004
Rate this book
Clear rating
Toda Poesia de Augusto dos ...

4.50 avg rating — 4 ratings2 editions
Rate this book
Clear rating
Antologia Poética

by
2.67 avg rating — 3 ratings — published 1997
Rate this book
Clear rating
Outras Poesias (Ilustrado)

0.00 avg rating — 0 ratings
Rate this book
Clear rating
Eu e outras poesias [Annota...

0.00 avg rating — 0 ratings
Rate this book
Clear rating
Outras Poesias

0.00 avg rating — 0 ratings
Rate this book
Clear rating
Todos os sonetos

0.00 avg rating — 0 ratings — published 1997
Rate this book
Clear rating
Os Cem Melhores Poemas Bras...

by
3.93 avg rating — 59 ratings — published 2000
Rate this book
Clear rating
Clássicos da Poesia Brasileira

by
4.33 avg rating — 3 ratings — published 1999
Rate this book
Clear rating
More books by Augusto dos Anjos…
“Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!”
Augusto dos Anjos, Eu e Outras poesias

“Uma tarde de abril suave e pura
Visitava eu somente ao derradeiro
Lar; tinha ido ver a sepultura
De um ente caro, amigo verdadeiro.

Lá encontrei um pálido coveiro
Com a cabeça para o chão pendida;
Eu senti a minh'alma entristecida
E interroguei-o: "Eterno companheiro

Da morte, quem matou-te o coração?"
Ele apontou para uma cruz no chão,
Ali jazia o seu amor primeiro!

Depois, tomando a enxada, gravemente,
Balbuciou, sorrindo tristemente:
- "Ai, foi por isso que me fiz coveiro!”
Augusto dos Anjos, Eu e Outras poesias

“Sofro aceleradíssimas pancadas
No coração. Ataca-me a existência
A mortificadora coalescência
Das desgraças humanas congregadas!

Em alucinatórias cavalgadas,
Eu sinto, então, sondando-me a consciência
A ultra-inquisitorial clarividência
De todas as neuronas acordadas!

Quanto me dói no cérebro esta sonda!
Ah Certamente eu sou a mais hedionda
Generalização do Desconforto...

Eu sou aquele que ficou sozinho
Cantando sobre os ossos do caminho
A poesia de tudo quanto é morto!”
Augusto dos Anjos, Eu e Outras poesias

Topics Mentioning This Author

topics posts views last activity  
Clube de Leitores...: * Qual livro você está lendo atualmente? 1787 1173 11 hours, 47 min ago