Augusto dos Anjos





Augusto dos Anjos

Author profile


born
in Cruz do Espírito Santo, Paraíba, Brazil
April 20, 1884

died
November 12, 1914

gender
male

genre


About this author

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos was a Brazilian poet and professor. His poems speak mostly of sickness and death, and are considered to forerun the Modernism in Brazil.


Average rating: 4.29 · 314 ratings · 5 reviews · 7 distinct works · Similar authors
Eu e Outras poesias
4.31 of 5 stars 4.31 avg rating — 237 ratings — published 1912 — 7 editions
Rate this book
Clear rating
Augusto dos Anjos: Obra Com...
4.68 of 5 stars 4.68 avg rating — 22 ratings — published 2004
Rate this book
Clear rating
EU
4.75 of 5 stars 4.75 avg rating — 8 ratings — published 1912
Rate this book
Clear rating
Todos os sonetos
0.0 of 5 stars 0.00 avg rating — 0 ratings — published 1997
Rate this book
Clear rating
Antologia Poética
by
0.0 of 5 stars 0.00 avg rating — 0 ratings — published 1997
Rate this book
Clear rating
Os Cem Melhores Poemas Bras...
by
3.91 of 5 stars 3.91 avg rating — 44 ratings — published 2000
Rate this book
Clear rating
Clássicos da Poesia Brasileira
by
4.33 of 5 stars 4.33 avg rating — 3 ratings — published 1999
Rate this book
Clear rating
More books by Augusto dos Anjos…
“Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!”
Augusto dos Anjos, Eu e Outras poesias

“Uma tarde de abril suave e pura
Visitava eu somente ao derradeiro
Lar; tinha ido ver a sepultura
De um ente caro, amigo verdadeiro.

Lá encontrei um pálido coveiro
Com a cabeça para o chão pendida;
Eu senti a minh'alma entristecida
E interroguei-o: "Eterno companheiro

Da morte, quem matou-te o coração?"
Ele apontou para uma cruz no chão,
Ali jazia o seu amor primeiro!

Depois, tomando a enxada, gravemente,
Balbuciou, sorrindo tristemente:
- "Ai, foi por isso que me fiz coveiro!”
Augusto dos Anjos, Eu e Outras poesias

Topics Mentioning This Author

topics posts views last activity  
Clube de Leitores...: * Qual livro você está lendo atualmente? 1014 698 Oct 29, 2014 09:54PM